Consultor Jurídico

Colunas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Resumo da semana

Proibição de conduções coercitivas e prisão de Paulo Maluf foram destaque

Por 

A última semana de atividade do Judiciário foi intensa, com impactos diretos no rumo de investigações, nas atividades políticas, no destino de presos e no salário de servidores. Chama atenção o fato de que a maioria das decisões foi monocrática, como fez o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, ao proibir conduções coercitivas de investigados em todo o país.

Para ele, é inconstitucional levar investigados à força para depor, por violar a liberdade de locomoção e a presunção de não culpabilidade. Autoridades que descumprirem a decisão, segundo Gilmar, podem responder em processo disciplinar, cível e criminal. Advogados consultados pela ConJur elogiaram a medida.

A semana teve ainda a prisão do deputado Paulo Maluf (PP-SP), depois que o ministro Edson Fachin determinou o cumprimento imediato da pena de 7 anos, 9 meses e 10 dias de reclusão por lavagem de dinheiro desviado quando era prefeito de São Paulo, entre 1993 e 1996. A defesa recorreu ao STF, mas a ministra Cármen Lúcia considerou a estratégia protelatória.

Já o ministro Ricardo Lewandowski suspendeu aplicação de dispositivos da Medida Provisória 805, sobre a remuneração de servidores federais, que havia cancelado aumentos já aprovados em anos anteriores e aumentado a contribuição social, de 11% para 14%.

Maioria formada
Às vésperas do recesso, o ministro Luís Roberto Barroso também surpreendeu ao se antecipar ao resultado do julgamento sobre a restrição da prerrogativa de foro no Supremo. Ele enviou de volta ao primeiro grau inquérito aberto contra deputado federal suspeito de crimes contra a administração quando era presidente da Câmara dos Vereadores de Natal. Para o ministro, isso é possível porque o Plenário da corte já tem sete votos a favor da restrição. O entendimento foi criticado por advogados.

Perdão natalino
O governo federal publicou o Decreto 9.246/2017, que estabelece as regras de concessão do indulto. Com a norma deste ano, o Planalto voltou a permitir a comutação de penas, que havia sido retirada no decreto de 2016.

ENTREVISTA DA SEMANA

O presidente e diretor jurídico da Oi, Eurico Teles, afirma que a recuperação judicial da empresa de telefonia foi um passo importante para a consolidação da Lei de Falências de 2005, no lugar das soluções duras da norma anterior. 

“A negociação, a conversa, saber ouvir, tentar consensos, isso faz parte do espírito de gestão no Brasil. E a recuperação judicial incorpora este espírito de entendimento e de negociação pacificada”, afirmou dias antes da análise do plano de recuperação da companhia.

RANKING

A notícia mais lida da semana na ConJur, com 158,2 mil acessos, foi sobre decisão de uma juíza de Canoas (RS) negou indenização a um almoxarife que sofreu acidente a caminho do serviço. Perdedor da ação — ajuizada antes da vigência da Lei 13.467/2017 —, ele foi condenado a pagar R$ 20 mil de honorários de sucumbência ao advogado da empresa.

O detalhe é que a cobrança fica suspensa por dois anos para que o trabalhador se estruture financeiramente. Se após esse período o procurador da empresa não comprovar que o ex-empregado tem recursos suficientes, a dívida será extinta.

Com 115,6 mil acessos, ficou em segundo lugar do ranking decisão do ministro Ricardo Lewandowski que impediu o Conselho Nacional de Justiça de analisar a conduta de um juiz que protestou contra impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Ele afirmou que, como o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro analisou o caso, o CNJ não é instância recursal e não pode ser utilizado para reformar decisão disciplinar.

As 10 mais lidas
Juíza condena trabalhador que se acidentou a pagar R$ 20 mil de honorários
Lewandowski anula processo sobre juiz que protestou contra impeachment
Avós não podem ser presos por deixar de pagar pensão aos netos, decide STJ
848 juízes de São Paulo terão "botão secreto" para filmar gabinetes
Nova presidente do TRT-4 diz que reforma trabalhista tem trechos inconstitucionais
STF anistia deputado federal com base em lei que ele mesmo criou enquanto era réu
Entrevista – Eurico Teles: “Caso da Oi é o maior teste para a consolidação da nova Lei de Falências”
Juiz é agredido após dar voz de prisão durante audiência de conciliação
Juristas e advogados criticam decisão do Supremo de prender Maluf
Gilmar proíbe condução coercitiva de investigados em todo o país

Manchetes da Semana
Entrevista – Luciano Bandeira: “Quanto mais baixa a instância do Judiciário, pior é tratamento ao advogado”
Juízes vão ao STF contra limite de indenização na reforma trabalhista
CNJ aposentou compulsoriamente 9 juízes e desembargadores em 2017
Por não ver risco à ordem pública, Gilmar Mendes solta Garotinho
Avós não podem ser presos por deixar de pagar pensão aos netos, decide STJ
Progressão para o regime semiaberto não garante visita periódica à família
Gilmar proíbe condução coercitiva de investigados em todo o país
OAB questiona honorários fixados em acordo dos planos econômicos
ACP deve discutir demissão em massa, não dissídio coletivo, diz TST
Supremo rejeita duas denúncias da PGR por serem baseadas apenas em delações premiadas
MPF não tem acesso irrestrito a relatórios da Polícia Federal, decide TRF-5
Entrevista – Eurico Teles: “Caso da Oi é o maior teste para a consolidação da nova Lei de Falências”
848 juízes de São Paulo terão "botão secreto" para filmar gabinetes

 é editor da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 23 de dezembro de 2017, 13h45

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 31/12/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.