Consultor Jurídico

Colunas

Resumo da semana

Aprovação da PL sobre medidas emergenciais durante a epidemia foi destaque

Por 

O plenário do Senado rejeitou por 62 votos a 15, na última terça-feira (19/5), o substitutivo da Câmara dos Deputados ao Projeto de Lei 1.179/2020, que altera relações jurídicas privadas na pandemia, e retomou o texto original votado anteriormente na mesma Casa. As normas são para enquanto durar a epidemia de Covid-19 no Brasil.

O anteprojeto do PL 1.179 foi elaborado por um grupo de juízes, ministros de tribunais e advogados especialistas em direito privado, sob a liderança do ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal.

O projeto foi alvo de uma série de debates em seminários virtuais promovidos pela TV ConJur na série "Saída de Emergência". Neles, especialistas analisaram, por exemplo, reflexos da pandemia nos contratos empresariais, teoria da imprevisão e a responsabilidade civil durante a crise, dentre outros. O projeto original é de autoria do senador Anastasia.

Uma das modificações do texto aprovado em relação ao original diz respeito a entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD — Lei 13.709, de 2018). O texto do Senado adiava para janeiro de 2021 a vigência da lei, com multas e sanções administrativas válidas somente a partir de agosto de 2021.

O relator na Câmara dos Deputados, deputado Enrico Misasi (PV-SP), aceitou apenas a prorrogação do prazo relativo à imposição das sanções administrativas (agosto de 2021). No substitutivo, manteve o disposto pela Medida Provisória (MP) 959/2020, que adiou de 14 de agosto deste ano para 3 de maio de 2021 a data de entrada em vigor dos demais artigos da LGPD.

O texto, no entanto, passou por mais uma alteração no Senado. O senador Weverton (PDT-MA) apresentou um destaque para que a lei passe a valer a partir de agosto deste ano, com a ressalva de que os artigos que tratam das sanções só entrarão em vigor em agosto de 2021.

Para o senador, essa mudança é importante para o enfrentamento das notícias falsas. Levado a votação, o destaque foi aprovado por 62 votos a 15.

TV CONJUR

Veja o que foi publicado nesta semana no nosso canal do YouTube:
Federalismo cooperativo no combate à calamidade
Crimes tributários em tempos de calamidade e crise econômica
Segurança na crise – Desafios trabalhistas após 2 meses de Covid-19

Segurança na crise – Seguros e Covid-19
Contratos: jurisprudência antes e depois da pandemia

FRASE DA SEMANA

"Não podemos é sair aí a receitar cloroquina e tubaína, não é disso que se cuida! O relator deixou isso de maneira evidente, é preciso que haja responsabilidade técnica!", ministro Gilmar Mendes no julgamento que manteve a vigência da Medida Provisória 966. 

ENTREVISTA DA SEMANA

José Eduardo Martins Cardozo, em entrevista exclusiva à ConJur, bateu no ativismo judicial, defendeu sua gestão à frente do Ministério da Justiça durante os governos Dilma (2011-2016) e lembrou da pressão que sofreu tanto do seu partido [PT] quanto da oposição por suposta falta de "controle" sobre as ações da Polícia Federal.

RANKING

Com 120 mil acessos, a notícia mais lida da semana trata da decisão da juíza Priscila Faria da Silva, da 12ª Vara Cível de Brasília, que ordenou  que a secretária especial da Cultura, Regina Duarte, seja citada para apresentar a sua defesa em uma ação movida pelos herdeiros da ex-primeira-dama Marisa Letícia.

Além de Regina, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) também é alvo de ação e foi intimado no final do abril para apresentar a sua defesa.

Os herdeiros de Marisa pedem reparação de R$ 131 mil por danos morais e que a secretária publique em sua conta no Instagram a íntegra da sentença condenatória.

Com 80 mil acessos, a segunda notícia mais lida da semana trata de provimento assinado pelo presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Geraldo Francisco Pinheiro Franco, que adere a decisão da Prefeitura de São Paulo e antecipa feriados na Comarca da capital paulista. A medida visa aumentar os índices de isolamento na cidade e diminuir a curva de contágio da Covid-19.

As dez mais lidas
Regina Duarte é intimada a explicar postagem sobre Marisa Letícia
TJ-SP antecipa feriados na capital paulista para 20, 21 e 22 de maio
TJ-SP rescinde contrato de R$ 1,3 bilhão com a Microsoft
STF nega flexibilizar prazos eleitorais e mantém regras existentes
MPF quer revisão de todos os pedidos de auxílio emergencial negados
Juíza autoriza liberação do valor integral do FGTS de trabalhadora
Mensagens mostram que Moro coordenava investigações
Corregedor manda tribunais manterem regularidade em precatórios
Documentos que apontam que Odebrecht pagou delatores
TJ-SP autoriza atendimento presencial em restaurante popular

Manchetes da semana
Câmara aprova PL sobre as regras emergenciais para a crise
Dinheiro para prevenir queimadas vai para o combate ao coronavírus
Operadores do ordenamento jurídico falharam com "lava jato"
STF declara atos que censuram universidades inconstitucionais
STF garante estados e municípios no "orçamento de guerra"
Federalismo mostra que descentralização é o melhor caminho
Especialistas debatem crimes tributários em tempos de Covid-19
Crise sanitária e econômica impõem criação de nova jurisprudência 
Senado aprova versão original de PL sobre medidas emergenciais
Volta da entrada em vigor da LGPD para agosto pode gerar insegurança
 Fazenda Pública tem preferência em penhora
Mundo dos contratos não será o mesmo após a Covid-19
Agente público comete erro grosseiro se descumpre norma científica

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 23 de maio de 2020, 9h36

Comentários de leitores

0 comentários

Ver todos comentáriosComentar