Consultor Jurídico

Armação Ilimitada

TJ-RJ revoga decisão que havia ordenado fechamento de praias e hotéis em Búzios

Por  e 

Não cabe ao Poder Judiciário tomar decisões administrativas ou elaborar políticas públicas no lugar do Executivo. Com esse entendimento, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro suspendeu, nesta quinta-feira (17/12), decisão da 2ª Vara de Armação de Búzios (RJ) que havia ordenado o fechamento de praias e hotéis e proibido o trânsito de turistas na cidade.

Praia da Armação, em Búzios (RJ) Masajualves/Wikimedia Commons

"O respeito às diretrizes técnicas busca justamente garantir o princípio da separação de poderes, um dos pilares de sustentação da República. O ônus da política de combate à Covid-19 é do Poder Executivo", pontuou o desembargador Claudio de Mello Tavares, presidente do colegiado, responsável pela decisão.

O juízo de primeira instância havia constatado que a Prefeitura de Búzios não cumpriu a obrigação, prevista em termo de ajustamento de conduta (TAC), de aumentar o número de leitos de UTI. Mas o magistrado do TJ-RJ observou que a ocupação dos leitos não atingiu 70% até o momento; por isso, a exigência seria descabida.

Além disso, o desembargador lembrou que nenhuma das cláusulas do TAC estipulava revogação do decreto em vigor (Decreto Municipal
1.533/2020) e restabelecimento do anterior (Decreto Municipal 1.366):

"Uma vez comprovado o descumprimento das cláusulas do TAC, incumbe ao magistrado promover as medidas necessárias para compelir o ente público a cumprir o ajuste integralmente, mas não estabelecer quais normas deverão vigorar no município para combate à pandemia", ressaltou.

Tavares também destacou que as restrições afetariam o plano de retomada da economia da cidade, "causando prejuízos consideráveis a toda sociedade local". A ordem de suspensão deve vigorar até o trânsito em julgado da decisão de mérito.

Clique aqui para ler a decisão
0089626-30.2020.8.19.0000




Topo da página

 é estagiário da revista Consultor Jurídico.

 é editor da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 18 de dezembro de 2020, 15h03

Comentários de leitores

1 comentário

Corona para todos

O ESCUDEIRO JURÍDICO (Cartorário)

O TJRJ atendendo aos interesses do novo Ministro do Turismo, preocupado com a perda de divisas $$$$, esquece que o Brasil é, em verdade, o campeão das contaminações e mortes, superando os USA, porque os números publicados pelo Governo não são confiáveis, concede uma decisão de "morte" para os turistas que forem passar, antes da morte, o Natal e Ano Novo, em Búzios.

Comentários encerrados em 26/12/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.