Consultor Jurídico

Indignação coletiva

Celso de Mello classifica como necrófilo discurso de Bolsonaro sobre máscaras

Por 

O ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello, criticou duramente as declarações do presidente Jair Bolsonaro sobre a possibilidade de o Ministério da Saúde passar a recomendar a dispensa do uso de máscara para quem foi vacinado.

Bolsonaro disse que iria pedir parecer ao Ministério da Saúde sobre dispensa do uso de máscaras para quem já foi vacinado
Antonio Cruz/ Agência Brasil

"O discurso de Bolsonaro pronunciando-se pela dispensa da máscara, mais do que um ato temerário, constitui, na realidade, um inconcebível ‘discurso necrófilo’ que é rejeitado pela ciência e que não pode nem deve ser acolhido por razões de sensatez, de responsabilidade e de respeito e preservação da vida e da saúde do povo brasileiro" declarou.

Em uma live em seus perfis nas redes sociais Bolsonaro classificou o uso de máscaras como uma "opressão". "Conversei com Queiroga, dei a notícia um pouco mais cedo. Ele vai fazer um estudo de modo que possamos sugerir ou orientar a desobrigação do uso da máscara para quem já foi vacinado ou para quem já contraiu o vírus. A gente não pode viver numa opressão a vida toda sobre isso aí", disse.

Celso de Mello não foi a única personalidade da comunidade jurídica a condenar a fala do presidente. Atual decano do Supremo, o ministro Marco Aurélio disse ser impensável a dispensa do uso de máscara entre vacinados.

"Isso é impensável. Foge ao bom senso. Ainda estamos em meio à pandemia e toda cautela que puder ser implementada é bem-vinda. Temos vários casos de pessoas vacinadas que depois pegaram a Covid. Deveria haver uma propaganda maciça pelo uso da máscara, distanciamento social, uso do álcool e higiene das mãos. Nós ainda não suplantamos a pandemia. Basta constatar o número de mortes por dia", disse o ministro.

Quem também condenou a medida proposta por Bolsonaro foi o presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz. "Diante do aumento da vacinação, por motivos alheios ao seu trabalho e desejo, o presidente tenta uma nova fórmula para matar mais alguns brasileiros. Tirar as máscaras das ruas! Ninguém pode dizer que o partido da morte não tem um líder coerente e tenaz no Brasil."

Políticos de diferentes matizes ideológicas como o ex-presidente Lula, Marina Silva, Ciro Gomes, e Renan Calheiros também criticaram duramente a fala do presidente. O relator da CPI da Covid-19 chegou a comparar Bolsonaro com o líder da seita religiosa Templo dos Povos, Jim Jones. Ele se tornou mundialmente conhecido por promover um massacre misto de suicídio coletivo e assassinato em massa que vitimou 918 pessoas em 1978.

"Logo que foi descoberta sua atividade de lobista de cloroquina, o presidente muda o assunto e declara guerra à máscara. Quer o Brasil exposto ao vírus. Temos um Jim Jones na presidência. A diferença é que o louco americano induziu ao suicídio, e o brasileiro quer também o assassinato em massa", declarou Renan Calheiros.  O Brasil já registrou 482 mil mortes provocadas pela Covid-19.




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 11 de junho de 2021, 10h22

Comentários de leitores

9 comentários

Pelo fim da excrescência, perniciosa, inútil cpi covid-19

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

E CONHECEREIS A VERDADE E A VERDADE VOS LIBERTARÁ
Por Vasco Vasconcelos, escritor, jurista e Abolicionista. Palmas p/o depoimento transparente e honesto do ex—ministro da Saúde, General Eduardo Pazuello.
É vergonhoso deparar com certos cães raivosos querer crucificar pessoas que conseguiram subir na vida graças ao "Self-Made man " (esforço próprio). Avisem àquelas figuras pálidas e peçonhentas, que a pandemia não acabou. Continua ceifando milhares de vidas. Se essas figuras tivessem propósitos, preocupadas com o respeito a vida, ao invés de querer condenar inocentes, deveriam, com vistas a salvar vidas humanas, convocar grandes especialistas, médicos conceituados, a disseminar os remédios que estão salvandos vidas no país e no mundo, notadamente no Brasil o país que tem maior números de pessoas curadas no mundo. Enfim, parem com essa tortura da CPI DA COVID. A população já está estomagada com as raposas políticas e não aceita golpes baixos. Parem de querer passar a rasteira no MITO, Presidente Jair Bolsonaro. A população vem dando mostras através das últimas manifestações pacíficas que apoiam o Governo do Mito, eleito democraticamente com quase 58 milhões de votos. Vamos respeitar o sufrágio das urnas, a independência dos poderes e as prerrogativas constitucionais do grande estadista e homem público, Presidente da República Jair Bolsonaro. Se essas figuras peçonhentas continuarem infernizando a vida do Presidente Bolsonaro, sofrerão nova derrota ACACHAPANTE em 2022. Parem com essa patuscada. Se esses camaradas da nefasta CPI COVID -19, tivessem propósitos convocariam os Governadores, Secretários de Saúde, Prefeitos, e outros agentes públicos, envolvidos em escândalos de corrupção, principais responsáveis pelos efeitos e negligência da COVID-19

Os mercenários precisam respeitar o sufrágio das urnas

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos, escritor e jurista. Os mercenários gostam de meter o bedelho em tudo.
OAB não tem interesse em melhorar o ensino jurídico. Só tem olhos p/ os bolsos dos seus cativos. Tx concurso p/ adv. da OAB/ DF apenas R$ 75, taxa do pernicioso jabuti de ouro, o caça-níqueis exame da OAB, pasme R$ 260,(um assalto ao bolso). Estima-se que nos últimos 24 anos OAB abocanhou extorquindo com altas taxas de inscrições e reprovações em massa cerca de mais de 1.0 BILHÃO DE REAIS. Todo mundo sabe como funciona o enlameado Congresso Nacional. Assim fica difícil extirpar esse câncer a máquina de triturar sonhos e diplomas. Trabalho análogo à condição de escravo. O Egrégio STF ao julgar o INQUÉRITO 3.412 AL, dispondo sobre REDUÇÃO A CONDIÇÃO ANÁLOGA A DE ESCRAVO. ESCRAVIDÃO MODERNA, explicitou com muita sapiência (…) “Para configuração do crime do art. 149 do Código Penal, não é necessário que se prove a coação física da liberdade de ir e vir ou mesmo o cerceamento da liberdade de locomoção, bastando a submissão da vítima “a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva” ou “a condições degradantes de trabalho”, (...) A “escravidão moderna” é mais sutil do que a do século XIX e o cerceamento da liberdade pode decorrer de diversos constrangimentos econômicos e não necessariamente físicos. Priva-se alguém de sua liberdade e de sua dignidade tratando-o como coisa e não como pessoa humana, o que pode ser feito não só mediante coação, mas também pela violação intensa e persistente de seus direitos básicos, inclusive do direito ao trabalho digno. A violação do direito ao trabalho digno impacta a capacidade da vítima de realizar escolhas segundo a sua livre determinação. Isso também significa “reduzir alguém a condição análoga à de escravo"..

Crítica...

Villela (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

Não farei crítica à matéria, mesmo porque só de ver as pessoas citadas, já dispensa qualquer comentário.
Minha crítica é ao site.
Resumidamente, quando se tem artigos técnicos, o site é impecável, traz bons argumentos com os diversos autores. Nota 10.
Entretanto, quando o blog adentra a seara política é um terror, uma parcialidade indefensável, impossível de ler a matéria até o fim. Uma pena.

Só mesmo na mente dos adeptos da seita do Jair...

Harlen Magno (Oficial de Justiça)

Apontar o óbvio, aquilo que até as pedras já sabem neste país - que bolsonaro é um sociopata genocida - agora é "terror, parcialidade indefensável"...

Concordo totalmente!

AC-RJ (Advogado Autônomo)

Comentário muito bem colocado. Este site é nitidamente de oposição ferrenha ao Presidente Bolsonaro. A escolha da matéria já foi péssima pela evidente falta de conteúdo jurídico. A escolha dos consultados foi pior ainda, restrita apenas a inimigos raivosos e radicais do Presidente da República, daí, sem possuírem credibilidade alguma. A falta de imparcialidade se nota também pela falta do contraditório, pois o lado do acusado não foi ouvido. A ninguém que fosse simpático ao Presidente ou tão somente neutro foi dada a palavra, nem que fosse para fazer um contraponto.

Assim, concordo contigo. Este site é bom em Direito, mas quando resolve se aventurar em Política é um desastre. As matérias se tornam panfletos mal feitos, compostos apenas de militância política radical esquerdista.

Harlen

Tarquinio (Advogado Autônomo - Empresarial)

Seu comentário prova que os bolsopetistas são gêmeos siameses.

O brasileiro merece algo melhor em 2022.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/06/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.