Consultor Jurídico

Colunas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ranking de Notícias

Súmula do TRT-ES proibindo demissão sem motivo foi destaque da semana

Por 

Um enunciado recém-aprovado pelo Tribunal Regional do Trabalho da 17ª Região (ES) gerou críticas no meio jurídico e empresarial: a corte validou a Convenção 158 da Organização Internacional do Trabalho, que tem dispositivo proibindo a demissão de trabalhadores sem causa justificada. A norma chegou a entrar no ordenamento jurídico em 1996, durante o governo Fernando Henrique Cardoso, mas foi anulada por ele mesmo oito meses depois. O TRT-17 considerou inconstitucional essa anulação, na Súmula 42. O Supremo Tribunal Federal já iniciou julgamento sobre o tema, com base em ação de 1997. Em nota, o TRT-17 negou ter atropelado a corte. Clique aqui e aqui para ler sobre o assunto.

Direito fundamental
Repartições públicas não podem se recusar a informar a uma pessoa se ela é investigada em um inquérito policial. Assim entendeu o desembargador Paulo Fontes, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, ao determinar que a 5ª Vara Federal de Santos (SP) forneça certidão indicando se há menção ao nome de um homem em um inquérito policial. O autor foi alvo de mandado de prisão preventiva no Acre e, quando solicitou ao diretor de secretaria da vara uma certidão que indicasse os crimes e os envolvidos no processo, o pedido foi rejeitado. Para o desembargador, porém, o acesso às informações consiste em garantia fundamental. Clique aqui para ler a notícia.

Julgadores parciais
O bônus de eficiência pago a auditores fiscais — inclusive que atuam no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais do Ministério da Fazenda (Carf) — teve sua primeira derrota judicial. Em liminar, o juiz federal Rodrigo Bentemuller mandou retirar um processo da pauta do conselho por entender que o pagamento “cria um conflito de interesses”. Como auditores passaram a receber incentivo conforme sua produtividade, o juiz questionou se é possível manter a imparcialidade “diante do evidente interesse financeiro e econômico que estes servidores públicos terão em ver aumentada sua remuneração através de cumprimentos de metas que incluem o aumento da arrecadação, especialmente configurada pela manutenção das multas nas instâncias julgadoras”. Clique aqui para ler a notícia.


Entrevista da Semana
O presidente do Centro de Estudos das Sociedades de Advogados (Cesa), Carlos José Santos da Silva, o Cajé, afirma que o Ministério Público do Trabalho não tem legitimidade para questionar se escritórios de advocacia contratam advogados como associados para fraudar a modalidade celetista. Segundo ele, não há hipossuficientes a serem protegidos na relação. “Como um advogado pode ser hipossuficiente se assina uma petição, peticiona, em pleno exercício da advocacia? Não faz o menor sentido”, afirma Cajé, também vice-presidente a Comissão de Sociedades de Advogados do Conselho Federal da OAB. Ele também critica as dez medidas contra a corrupção propagadas pelo Ministério Público Federal. Clique aqui para ler a entrevista.


Audiência
Medição do Google Analytics aponta que a ConJur recebeu 844,9 mil visitas e teve 1,2 milhão de visualizações de página entre os dias 20 e 26 de janeiro. A terça-feira (24/1) foi o dia com mais acessos, quando o site recebeu 157,1 mil visitas.

O texto mais lido, com 29,8 mil visitas, foi relato do jornalista Pedro Canário sobre o ministro Teori Zavascki, que morreu no dia 19 de janeiro na queda de um avião. Editor da ConJur, Canário conta que Teori não considerava importante a operação “lava jato”, do ponto de vista jurídico, e foi injustamente visto pela imprensa como um homem arredio, quando na verdade fazia questão de comparecer a ocasiões sociais ou cerimoniosas, tratava bem os amigos e sempre pedia para ouvir histórias e piadas. Clique aqui para ler o texto.

Com 25,2 mil acessos, ficou em segundo lugar no ranking a notícia de que advogados podem reter valores ganhos na Justiça por seu cliente para garantir seus honorários, se não houver decisão judicial obrigando-o a repassar o dinheiro. O entendimento foi definido pela 1ª Turma de Ética Profissional da seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil. Na ementa sobre o tema, o colegiado reforça que os advogados devem sempre tentar chegar a um acordo com o cliente. Clique aqui para ler a notícia.


As 10 mais lidas
Imagem de ministro contrasta com o Teori Zavascki da vida real
Advogado pode reter dinheiro ganho por cliente para garantir honorários
Isenção de Imposto de Renda sobre venda de imóvel também vale para quitações
TRT-ES atropela Supremo e cria súmula que proíbe demissão sem justificativa
Obstetra não pode cobrar para garantir parto de quem tem plano de saúde
Empregado que trabalha com carro próprio deve ser indenizado por depreciação
Seccionais denunciam “golpe da ação coletiva” aplicado contra advogados
Pelos bastidores é que se conhece o verdadeiro Teori Zavascki
Acusado de machismo e cotado para STF, Ives Gandra diz que teve fala descontextualizada
Americano escreve petição de duas páginas sem ponto nem parágrafo


Manchetes da Semana
Estado é obrigado a informar a cidadão se ele está sendo investigado em inquérito
Bingo promovido sem fins lucrativos é crime, mas não gera dano moral coletivo
TRT-ES atropela Supremo e cria súmula que proíbe demissão sem justificativa
Bônus cria conflito de interesses de conselheiros auditores no Carf, diz juiz
Acervo de Teori no Supremo tem casos fundamentais para a agenda do governo
Advogado pode reter dinheiro ganho por cliente para garantir honorários
Para TRT-3, colocar trabalhador em risco é enriquecimento ilícito da empresa
Juiz só pode nomear defensor depois de esgotadas tentativas de localizar acusado
Isenção de Imposto de Renda sobre venda de imóvel também vale para quitações
Entrevista – Carlos José Santos da Silva, o Cajé: “Ministério Público do Trabalho não tem legitimidade para autuar escritórios”
Direito sobre usufruto de imóvel pode ser penhorado em processo trabalhista

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 28 de janeiro de 2017, 8h10

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 05/02/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.