Consultor Jurídico

Eleições OAB 2021

Da Redação

Advocacia em pauta

TV ConJur promove debate com candidatos à Presidência da OAB-SP

Por 

A TV ConJur promove nesta quarta-feira (17/11), a partir das 9h, debate entre quatro dos cinco candidatos à Presidência da seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil. A discussão, que ocorre no formato online, reúne Alfredo Scaff Filho, Caio Augusto Silva dos Santos — atual presidente e candidato à reeleição —, Dora Cavalcanti e Mário de Oliveira FilhoPatrícia Vanzolini informou na noite desta terça-feira (16/11) que está com Covid-19 e, por recomendações médicas, ficará isolada e em repouso. Os candidatos terão a oportunidade de apresentar suas propostas para o comando da entidade no triênio 2022/2024. O pleito ocorre no próximo dia 25.

A seccional paulista da OAB é a maior do país, com mais de 300 mil advogados inscritos. O posto de presidente da entidade, além da oportunidade de representar a advocacia paulista, carrega consigo peso político, projeção e o maior orçamento entre as seccionais brasileiras.

Candidato pela primeira vez, Alfredo Scaff afirma que o debate é fundamental para que se possa aprofundar os projetos para melhorar a OAB-SP. Na mesma toada, a candidata Dora Cavalcanti afirma que o encontro virtual é importante para lembrar a advocacia paulista da importância das eleições.

"Espero que todos que estejam acompanhando esse evento se sintam estimulados a votar no dia 25. Desde o início da campanha, uma das nossas principais bandeiras é o aumento da representatividade", sustenta.

Patrícia Vanzolini, por sua vez, afirma que o "o debate é uma oportunidade democrática e dever ser usado com responsabilidade para que todos os candidatos apresentem as suas propostas e visões à respeito da OAB".

O processo eleitoral da seccional paulista da OAB deste ano — e das outras seccionais — ocorre sob o efeito da paridade de gêneros e das cotas raciais aprovadas pelo Conselho Federal em 2020. Só puderam ser registradas chapas que alcançaram uma cota de 50% das mulheres (tanto para titulares como para suplentes) e 30% para profissionais negros.

Os efeitos já podem ser sentidos no cenário eleitoral paulista. Concorrem ao posto de presidente da OAB-SP as advogadas Dora Cavalcanti e Patrícia Vanzolini. Nos 90 anos de história da entidade, nunca uma mulher ocupou o posto de representante máximo da advocacia paulista.

O debate será mediado pelo repórter especial da ConJur, Rodrigo Haidar. No evento, cada candidato terá oportunidade de apresentar as propostas de sua chapa no período de 3 minutos e responder perguntas que serão sorteadas pelo mediador. Cada questão terá comentário de 1 minuto de outro candidato que também será apontado por sorteio. O advogado que responder a pergunta terá 1 minuto para tréplica.

Os concorrentes também terão oportunidade de fazer perguntas aos seus concorrentes durante uma rodada. A dinâmica também será determinada por sorteio. Os candidatos também terão 2 minutos para fazerem considerações finais. Pedidos de resposta serão analisados por uma comissão composta por três profissionais da ConJur.

Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 16 de novembro de 2021, 18h04

Comentários de leitores

2 comentários

Humaniza oab.Fim da exploraçãodos bels. Direito (advogados)

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

or Vasco Vasconcelos , escritor, jurista. “DE TODOS OS ASPECTOS DA MISÉRIA SOCIAL NADA É TÃO DOLOROSO, QUANTO O DESEMPREGO ( Janne Adms)
Senhores membros da ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – OIT, ajude-nos abolir de vez o trabalho análogo a de escravos no Brasil, a escravidão moderna da OAB e inserir no mercado de trabalho cerca de quase 400 mil cativos ou escravos contemporâneos da OAB, devidamente qualificados pelo Estado (MEC) jogados ao banimento sem direito ao primado do trabalho. "O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigualdade, de descaso". Antes da promulgação da Lei Áurea, era legal escravizar e tratar as pessoas como coisa, para delas tirarem proveitos econômicos. A história se repete: Refiro-me ao jabuti de ouro da OAB, o famigerado caça-níqueis exame da OAB, cuja única preocupação é bolso dos advogados devidamente qualificados pelo Estado (MEC), jogados ao banimento, sem direito ao primado do trabalho, renegando pessoas a coisas.
Segundo o Egrégio STF a violação do direito ao trabalho digno impacta a capacidade da vítima de realizar escolhas segundo a sua livre determinação. Isso também significa “reduzir alguém a condição análoga à de escravo” (STF). Durante o lançamento do livro ‘Ilegalidade e inconstitucionalidade do Exame de Ordem do corregedor do TRF da 5º Região, Desembargador Vladimir Souza Carvalho, afirmou que exame da OAB é um monstro criado pela OAB. Disse q nem mesmo a OAB sabe do que ele se trata e que as provas, hoje, têm nível semelhante às realizadas em concursos públicos para procuradores e juízes. “É uma mentira que a aprovação de 10% dos estudantes mensure que o ensino jurídico do país está ruim....

Responder

Qual o candidato que defende fmi escravidão moderna da oab?

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos, escritor e jurista. Todos os PLs de interesse da OAB são votados e aprovados toque de caixa. E os contrários arquivados. Quais os segredos? Alô Senhores membros da OIT, OEA, TPI e ONU, MPF, e os omissos e subservientes Deputados e Senadores, até quando os Senhores vão aceitar: Lesões à ordem jurídica e a direitos constitucionalmente garantidos relacionados a FRUSTRAÇÃO AO EXERCÍCIO REGULAR DE DIREITOS DOS TRABALHADORES? (CAÇA-NÍQUEI$ DA OAB? O trabalho análogo a de escravos, a escravidão moderna da OAB? E também a fraude da Lei nº8.906/94 (Estatuto da OAB), a qual não foi votada nas comissões de praxe do Congresso Nacional, não foi debatida com a sociedade, fatos estes denunciados pela Associação Nacional dos Bacharéis em direito – ANB, junto ao MPF, Congresso Nacional e até junto ao Egrégio Supremo Tribunal Federa. O projeto de Lei 2.938/1992 que deu origem ao Estatuto da Advocacia Lei n° 8.906/1994 foi aprovada mediante fraude. Não foi votada pelo Plenário da Câmara Federal e nem pelo Senado Federal como exige o Regimento Interno e a Constituição Federa. A Lei 8.906/1994 tem grave vicio formal e material insanável. Trata-se de uma fraude. A ANB Associação Nacional dos Bacharéis em Direito, Ajuizou a ADI 6278/2019 no STF questionando a referida Lei, mas?
É notório que as desigualdades sociais neste país dos desempregados e aproveitadores são por causas de indivíduos, sindicatos e entidades inescrupulosas que fazem o “RENT SEEKING” uma espécie de persuadir os governos débeis, omissos e o enlameado Congresso Nacional a conceder favores, indecentes, benefícios e privilégios a exemplo do jabuti, o pernicioso caça- níquei$ exame da OAB.CRIAM-SE DIFICULDADES P/ COLHER FACILIDADE$$$$$. Até quando quando vai essa exploração?

Responder

Comentários encerrados em 24/11/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.