Consultor Jurídico

"Consultório do crime"

Tropa de choque bolsonarista usa Polícia do Senado para intimidar colunista da Folha

Principais representantes da defesa do governo do presidente Jair Bolsonaro na CPI da Covid, os senadores Eduardo Girão (Podemos-CE) e Luiz Carlos Heinze (PP-RS) acionaram a Polícia do Senado para intimidar o sociólogo Celso Rocha de Barros, autor de um artigo na Folha de S.Paulo que deixou os parlamentares irritados.

O senador Luiz Carlos Heinze (PP-RS)
Jefferson Rudy/Agência Senado

A Polícia do Senado abriu investigação a pedido de ambos. Alegam serem vítimas de calúnia e injúria. No artigo "'Consultório do Crime' tenta salvar Bolsonaro na CPI da Covid", Celso de Barros afirma que o presidente é defendido por senadores que buscam "tumultuar a investigação mentindo sobre medicina".

Nesta terça-feira (25/5), Celso de Barros informou à Polícia do Senado que não vai participar da videoconferência marcada pelos investigadores. "Não é atribuição da Polícia do Senado investigar supostos delitos contra a honra de senadores da República", afirmou o sociólogo, em petição assinada pelos advogados Luís Francisco Carvalho Filho e Phillipe Alves do Nascimento.

O colunista da Folha declarou, na mesma resposta, que os senadores são integrantes da bancada bolsonarista, "empenhada em instituir no Brasil um regime de arbítrio e de intimidação, conspirando permanentemente contra a liberdade de expressão e de imprensa".

Os senadores integram a tropa de choque de Bolsonaro dentro da CPI e defendem o uso de medicamentos sem eficácia contra a Covid-19, como a hidroxicloroquina e a ivermectina.

Durante as primeiras reuniões da CPI, Heinze e Girão mentiram ao citar estudos científicos inconclusivos, erraram dados ou omitiram informações sobre trabalhos que mostrariam benefícios do tratamento precoce.

O senador pelo Rio Grande do Sul registrou boletim de ocorrência contra Celso de Barros no último dia 10, data em que o artigo foi publicado. Disse aos investigadores que o colunista tentou criminalizar a "defesa legítima" que faz na CPI, "escudado em manifestações de renomados médicos e cientistas". Girão procurou a Polícia do Senado no dia seguinte.

O sociólogo também faz alusão no artigo ao "Escritório do Crime", grupo de assassinos de aluguel que atua no Rio de Janeiro, do qual faria parte o ex-policial militar Adriano da Nóbrega, morto em fevereiro de 2020.

O presidente Bolsonaro disse, dias depois da morte de Adriano, que o ex-policial era um herói na época em que foi homenageado pelo senador Flavio Bolsonaro.

Celso de Barros afirmou à Folha que os senadores tentam intimidá-lo. Ele disse ainda que o assédio judicial é uma rotina na "era Bolsonaro", assim como em governos que inspiram o bolsonarismo.

"Para uma turma que se dizia contra o politicamente correto, os bolsonaristas são sensíveis demais. Os senadores não querem ser responsabilizados diante da opinião pública por suas posições na CPI. O que está em discussão não é brincadeira. Quase meio milhão de brasileiros morreram", disse o sociólogo.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 25 de maio de 2021, 16h21

Comentários de leitores

4 comentários

É atribuição da Polícia do Senado sim senhor.

Gustavo Bsb (Outros)

Eu queria saber de onde esse jornalista e seus causídicos tiraram q nao é atribuição da Polícia do Senado apurar e proceder à persecução penal do(s) delito(s) citado(s) na matéria. As vítimas das ofensas à honra tomaram conhecimento destas no Senado. Malgrado haja entendimento do STJ sobre a consumação de delitos praticados por meio da Internet (computadores e afins) serem praticados onde a ofensa é emanada, o órgão recebedor da notitia não sabe onde isso ocorrerá. Até saber, é atribuição dele sim.

Consultor jurídico ou consultor médico?

AC-RJ (Advogado Autônomo)

A matéria afirma que existe "o uso de medicamentos sem eficácia contra a Covid-19, como a hidroxicloroquina e a ivermectina". Apesar de intensos estudos e discussões, a Medicina não chegou a um consenso sobre estes medicamentos, mas inusitadamente o Conjur sim. O site poderia explicar como chegou a uma conclusão que a Medicina até hoje não conseguiu chegar?

Do mesmo modo, os especialistas médicos deste site poderiam explicar a seguinte declaração: "Heinze e Girão mentiram ao citar estudos científicos inconclusivos, erraram dados ou omitiram informações sobre trabalhos que mostrariam benefícios do tratamento precoce"? O site não apresentou prova ou documento algum que sustentasse esta declaração.

Eu não tinha conhecimento que este site teria em seus quadros autoridades médicas especialistas na pandemia chinesa, cujos pareceres seriam absolutos e irrefutáveis até mesmo perante a Ciência Médica.

Deu cria

Helio Telho (Procurador da República de 1ª. Instância)

O inquérito Toffoli da suprema inquisição das fakenews, tão bem defendido nas páginas deste blog autointitulado revista eletrônica, deu cria.

Pois é!

Paulo Santos - Advogado (Advogado Autônomo - Civil)

Típico comentário estilo 5.ª série, de um autêntico "bolsonarista"...e o pior é que você se diz "Procurador"!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 02/06/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.