Novidade em debate

Tributaristas fazem críticas à reforma aprovada pelo Senado

30 de novembro de 2023, 20h14

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 45/2019, da reforma tributária, aprovada neste mês pelo Senado, foi tema de debate no painel “Reformas, democracia e liberdades na tributação”, nesta quarta-feira (29/11), durante a 24ª Conferência Nacional da Advocacia Brasileira, em Belo Horizonte.

OAB
Último dia da conferência teve painel sobre reforma tributária

Ao iniciar a discussão, a presidente da OAB-BA, Daniela Borges, disse que “o tributo é a forma por meio da qual somos chamados a custear a vida em sociedade”. Porém, para garantir o princípio da não cumulatividade, “é importante que não haja tributo incidindo sobre tributo”. A advogada esclareceu ainda que a tributação regressiva é aquela que onera mais as pessoas que têm menor renda, enquanto a progressiva incide de modo mais intenso sobre quem tem uma renda maior. “O Brasil, hoje, concentra sua tributação no consumo e essa é uma tributação que tende a ser regressiva”, afirmou ela. “Eu não sou contra a reforma, mas penso que ela pode ser melhor.”

A presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Fernanda Pacobahyba, destacou que, quando se observa a regressividade do sistema brasileiro, é possível ver como ele falhou. “Porque, de fato, quem está pagando mais é quem pode menos.” E acrescentou: “Nós deveríamos mudar para transformarmos em algo melhor. A gente não precisa só simplificar. Precisamos refletir, inclusive, o paradigma do consumo”.

Para o procurador especial tributário do CFOAB, Luiz Gustavo Bichara, “o IVA (Imposto sobre o Valor Agregado) acaba com os benefícios fiscais e todo mundo vai querer ficar perto do consumidor”. “O desemprego é um efeito inequívoco dessa reforma”, sentenciou. “Só os bancos tiveram sua alíquota protegida”, complementou ele.

Presidida pelo diretor-tesoureiro da OAB-BA, Hermes Hilarião Teixeira Neto, a mesa contou com a relatoria do conselheiro federal do Maranhão Thiago Roberto Morais Diaz e com o secretariado da conselheira federal de Pernambuco Ana Lúcia Bernardo de Almeida Nascimento.

Maior tributação 
“Estamos diante da maior revolução na tributação do consumo brasileiro desde 1945”, declarou o advogado André Mendes Moreira. “E os presságios não são os melhores.” O professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) explicou que, com as mudanças propostas pela PEC, uma sociedade de advogados sairá de uma carga tributária de 15% para uma de 43%.

“Nos Estados Unidos e na Europa, não há incidência do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica sobre a pessoa física”, explicou o advogado Fernando Moura, comentando que, no Brasil, os profissionais liberais acabam sofrendo uma dupla incidência do Imposto de Renda. Moura defendeu ainda que seja adotado um modelo semelhante ao praticado fora do país, para evitar a sobretaxação da renda desses profissionais que, segundo ele, é fruto do trabalho, e não de lucro de pessoa jurídica.

A tributarista Karem Jureidini Dias, que é professora no Instituto Brasileiro de Estudos Tributários, também acredita que há uma disfuncionalidade na reforma tributária proposta pela PEC 45. “O Brasil está aumentando os tributos sobre o consumo e falando que vai aumentar a taxação sobre a renda.”

Split payment
O advogado Alexandre Alkmim, doutor em Direito Tributário pela Universidade de São Paulo (USP), citou um provérbio antes de expressar sua preocupação com a PEC 45: “O diabo mora nos detalhes”. Segundo ele, o grande problema da reforma tributária está no artigo 156-A, parágrafo 5º, inciso 2, que, de acordo com Alkmim, possibilita uma solução de pagamento conhecida como split payment. “Essa possibilidade de antecipação de recolhimento do IBS (Imposto sobre Bens e Serviços) para posterior apuração e restituição é um grande risco”, alertou.

Promovida pelo Conselho Federal da OAB e pela seccional mineira da Ordem, a conferência teve como tema “Constituição, Democracia e Liberdades”. Foram 50 painéis com temas variados, especialmente sobre questões atuais do país. A OAB recebeu cerca de 400 palestrantes e 20 mil profissionais. Com informações da assessoria de imprensa da OAB.

Encontrou um erro? Avise nossa equipe!