Consultor Jurídico

Eleito nesta quarta

Objetivo é modernizar ainda mais o tribunal, diz novo presidente do TJ-SP

Por 

Eleito nesta quarta-feira (10/11) para presidir o Tribunal de Justiça de São Paulo no biênio 2022-2023, o desembargador Ricardo Anafe falou à ConJur sobre as principais bandeiras de sua gestão. O objetivo, segundo o presidente eleito, é modernizar ainda mais o Judiciário paulista.

TJ-SPDesembargador Ricardo Anafe, presidente eleito do TJ-SP para o biênio 2022-2023

"Desejo que o próximo biênio seja tão profícuo como esse, mas sob outras circunstâncias. O tribunal abraçou oportunidades de evolução na crise, que modernizaram o Judiciário e vão permanecer. Daremos prosseguimento a essa modernização", afirmou Anafe, que é o atual corregedor-geral de Justiça.

Entre as medidas que serão mantidas no pós-pandemia da Covid-19, o presidente eleito citou, por exemplo, as audiências por videoconferência com réus presos. "Hoje, não temos mais movimentação de réus presos nos fóruns. É uma garantia de que todos os atos ocorram na hora marcada. Também não há gastos com os deslocamentos dos réus, o que custa R$ 72 milhões ao ano, segundo o governo do estado", completou.

Para Anafe, o modelo funcionou tão bem que a ideia é ampliar as videoconferências também para audiências de custódia: "Isso traz menos riscos à sociedade, diminui o risco de fuga, dá mais tranquilidade ao preso e também se garante o devido processo legal sob todas as suas nuances, em relação à Defensoria, Ministério Público e advogados".

Segundo o desembargador, o processo de modernização do TJ-SP no biênio 2020-2021 também trouxe uma produtividade elevada. "O que se busca, em verdade, é eficiência. E isso passa pela melhora no trabalho e na produtividade", disse Anafe.

Trabalho remoto ou presencial?
O presidente eleito afirmou que, no início de sua gestão, enquanto perdurar a pandemia, as câmaras de segundo grau poderão decidir entre manter os julgamentos virtuais ou retomar as sessões presenciais, o que já tem ocorrido neste fim de ano. Até o momento, somente duas câmaras optaram por voltar aos trabalhos no Palácio da Justiça.

"Com relação ao primeiro grau, assim que se findar a crise sanitária, o trabalho remoto será parcial. Vamos experimentar essa transição e manter a resolução sobre o teletrabalho após a pandemia", afirmou Anafe, que também pretende manter o passaporte da vacina para entrar nos prédios e fóruns do Judiciário até o fim da pandemia.




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 10 de novembro de 2021, 19h18

Comentários de leitores

3 comentários

Parabéns

ENIO OLIVEIRA MAIA (Outro)

Parabenizo o presidente eleito do TJSP. Está Corte será capitaneada por um juiz sério, engajado na instituição e voltado aos reclames de magistrados servidores.

Ir além de modernizar.

A J Oliveira (Consultor)

Acredito que além de pensar em somente modernizar o TJ, também caberia melhorar em termos de qualidade das decisões/julgados, principalmente na esfera criminal, pois até hoje muitas delas são, no minimo, sofriveis; e sem considerar aquelas que, até, desconsideram jurisprudências consagradas e contrárias, algumas até desconsiderando decisões dos Tribunais Superiores. Enfim, quem sabe com a nova gerência, essa coisa passe a ser pelo menos considerada/pensada.

Só precisa informar mais os cidadãos

Rejane G. Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Cumprimentos ao novo Presidente do TJSP.
Sim, a pandemia trouxe vantagens em alguns aspectos e o uso mais acentuado da tecnologia aplicado aos processos judiciais é produtivo. Só que a rapidez como foram implementadas essas mudanças e em diferentes aspectos ao mesmo tempo trouxe muitos prejuízos para cidadãos e mesmo advogados, por não terem ainda absorvido essas novidades. Eu, por exemplo, luto diariamente para entender e me adaptar aos diferentes aspectos do uso da tecnologia, seja nas provas eminentemente digitais, seja nas "atas notariais", seja na intimação/citação por whatsapp, enfim, estou zonza. Então, como atendo a muitos cidadãos comuns que pedem orientação sobre como entrar com ação sem advogado, gostaria de sugerir que o site do TJSP fosse mais informativo nessas questões, advertindo sobre riscos e fraudes, bem como mais explícito em modelos que os cidadãos poderiam adotar em eventuais petições.

Comentários encerrados em 18/11/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.