Consultor Jurídico

CPI da Covid

Alexandre de Moraes reafirma a quebra de sigilo de Ernesto Araújo

Por 

"Os direitos e garantias individuais não podem ser utilizados como um verdadeiro escudo protetivo da prática de atividades ilícitas, tampouco como argumento para afastamento ou diminuição da responsabilidade política, civil ou penal por atos criminosos, sob pena de desrespeito a um verdadeiro Estado de Direito."

O ex-ministro Ernesto Araújo
José Cruz/Agência Brasil

Com esta citação de um voto do ex-ministro Celso de Mello, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, rejeitou recurso apresentado pelo ex-ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) contra sua quebra de sigilo telemático e telefônico determinada pela CPI da Covid.

O próprio ministro Alexandre mantivera, em decisão do último dia 12, a quebra de sigilo. A defesa do ex-chanceler, no entanto, apresentou embargo de declaração solicitando que as investigações se limitassem ao período de março de 2020 a março deste ano e que Alexandre não atendera a esse pedido.

"Não há omissão na decisão embargada. É importante consignar que o pedido subsidiário, por razões lógicas, está compreendido tanto da decisão que indeferiu a liminar quanto na sua fundamentação, visto que reconhecidos poderes investigatórios à CPI, nos mesmos moldes de que dotados os magistrados", escreve o ministro em sua decisão.

Clique aqui para ler a decisão
MS 37.969




Topo da página

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 21 de junho de 2021, 16h32

Comentários de leitores

1 comentário

Bolsonarismo

__Wellington (Administrador)

A hipocrisia dos que queriam derrubar o STF.

Comentários encerrados em 29/06/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.