Consultor Jurídico

BOQUIRROTO ENQUADRADO

Por 364 votos a 130, Câmara mantém prisão do deputado Daniel Silveira

Por 

Com parecer favorável da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, a Câmara dos Deputados decidiu manter a prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) por crimes de coação e ofensas ao Supremo e ao Estado Democrático de Direito. A votação por maioria ocorreu em sessão extraordinária nesta sexta-feira (19/2).

Daniel Silveira se defende nesta sexta
Michel Jesus/Câmara dos Deputados

Ao todo, 497 dos 513 deputados participaram da votação, feita à distância. Após leitura do relatório da deputada Magda Mofatto (PL-GO), recomendando a manutenção da prisão, votaram nesse sentido 364 deputados. Foram contrários outros 130. Houve três abstenções.

A prisão em flagrante foi determinada pelo ministro Alexandre de Moraes e referendada pelo Plenário da corte na quarta-feira (17/2), por unanimidade. Na quinta, ele passou por audiência de custódia, em que a prisão foi novamente mantida.

O parlamentar está preso no Batalhão Especial Profissional da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro e teve três oportunidades de se manifestar e se defender durante a sessão da Câmara.

Pedido de desculpas
Em suas falas, Silveira reconheceu os excessos no vídeo em que ataca ministros do Supremo Tribunal Federal e faz menções à ditadura militar; também pediu desculpa "a todos os brasileiros que se sentiram atingidos". Fez, ainda, uma súplica direta aos colegas de Parlamento, pela reversão da prisão e manutenção da imunidade parlamentar garantida aos deputados.

Ao ler o relatório da CCJ, a deputada Magda Mofatto apontou que, considerado o contexto das atitudes de Silveira, a prisão é correta, necessária e proporcional. Ela afirmou que o cometimento reiterado de condutas semelhantes pelo parlamentar, amplamente conhecidas e divulgadas pela imprensa e por ele próprio, mostram que as ameaças aos integrantes do STF eram sérias e críveis.

"Ao contrário do que quis fazer transparecer, no vídeo ele não fazia conjecturas, mas dava a entender que existia risco concreto aos integrantes do Supremo Tribunal Federal, constantemente reforçado mediante xingamentos, impropérios e ameaça de cassação por meio de processos ilícitos", disse a relatora.

Consequências
Nas três manifestações a que teve direito, Silveira ressaltou as consequências práticas da manutenção de sua prisão: a relativização da imunidade parlamentar, conferida pelo parágrafo 2º do artigo 53 da Constituição Federal. "
Isso é muito mais amplo do que qualquer um possa vir a entender. Essa relativização pode abrir precedentes catastróficos", destacou.

Segundo o deputado, com a manutenção da prisão não vai haver obstáculo para punir parlamentares por "vaidade ou perseguição política", dando brecha a uma nova crise institucional. Disse que, quando fez o vídeo com as ofensas, não imaginou que suas falas pudessem reverberar e construir esse tipo de cenário.

“Quem, em sã consciência, vislumbrou a possibilidade de que um dia um parlamentar seria preso por expressar, por mais equivocada que fosse, a sua opinião? Se eu me equivoquei e não tenho direito ao reconhecimento do equívoco, de nada adianta a lei. Bastava o Judiciário. Ele decidiria tudo", apontou.

A deputada Magda Mofatto, que leu a transcrição das ofensas no relatório da CCJ, apontou que é preciso traçar linha e deixar clara a diferença entre a crítica contundente e o verdadeiro ataque às instituições democráticas. Para ela, mostra-se cristalina a intenção do parlamentar de criar animosidade entre a corte constitucional e as forças armadas.

"É impensável que o constituinte originário tenha imaginado a imunidade material assegurada aos parlamentares como um instrumento para conseguir o fechamento do Supremo Tribunal Federal, do Congresso ou para pôr fim ao princípio da separação dos poderes", afirmou a relatora.

Ajufe apoia
Em nota, a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) afirmou que recebeu a decisão da Câmara com serenidade. "A incitação contra as instituições que compõem o Estado Democrático de Direito ultrapassa os limites de qualquer prerrogativa constitucional, arranhando o decoro que deve permear a atuação dos integrantes das instituições", disse.

O senador Renan Calheiros também se manifestou sobre o episódio. "A Câmara dos Deputados fez um asseio. Lugar de elementos como Daniel Silveira não é o plenário. A votação foi um recado para outros desse tipo: tenham modos, se deem ao respeito. A política não comporta arruaça", escreveu via Twitter.

Clique aqui para ler a nota da Ajufe




Topo da página

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 19 de fevereiro de 2021, 20h22

Comentários de leitores

9 comentários

República da lava jato

Joro (Advogado Autônomo)

Está certo, o Brucutu está bem guardado eis que gravíssimas suas ameaças e ofensas às instituições democráticas, principalmente ao Judiciário.
Mas, e os juízes da tal Força Tarefa que atentaram contra às instituições, contra o Estado Democrático de Direito, interferiram nas eleições, devastaram a economia, em suma, fizeram o Diabo (que os protege, segundo consta), não serão presos? A imunidade material dos juízes é mais imunidade que as outras?
Com a palavra...

Responder

Economia

Professor Edson (Professor)

Quem devastou a economia foi a corrupção, e todos os corruptos estão soltos, alguns inclusive querendo voltar para cargos públicos.

Uma prisão tão legal e inquestionável...

Harlen Magno (Oficial de Justiça)

Que já foi corroborada pelo STF por unanimidade, pela Câmara por maioria absoluta e esmagadora, e pelo MP, via PGR... Mas não, esse povo não sabe de nada, quem sabe mesmo são os comentarista adeptos da seita bolsonarista aqui no Conjur... Só rindo.

Responder

Lindo

Flávio Marques (Advogado Autônomo)

[Título autoexplicativo!].

Responder

Ver todos comentáriosComentar