Consultor Jurídico

Novo recurso

Pedindo medidas alternativas à prisão, defesa de Cunha impetra HC no STJ

Presidente cassado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ingressou com Habeas Corpus no Superior Tribunal de Justiça para tentar deixar a prisão. Ele está preso desde outubro em Curitiba, por determinação do juiz federal Sergio Moro. O HC foi distribuído ao ministro Felix Fischer, da 5ª Turma do STJ.

Defesa entrou com pedido de HC no STJ para que Eduardo Cunha deixe a prisão em Curitiba.
Reinaldo Ferrigno/Agência Câmara

De acordo com o jornalista Lauro Jardim, do jornal O Globo, a defesa de Cunha sustenta que a prisão é desnecessária e desproporcional e pede a aplicação de medidas alternativas à prisão. Segundo os advogados, o STF já teria se manifestado sobre a prisão preventiva, quando as investigações ainda corriam no Supremo, e os ministros, por lá, decidiram que não seria necessário manter o ex-deputado preso, porque a cassação teria esvaziado o pedido de encarceramento.

Nos argumentos usados para justificar a prisão de Cunha, o juiz Sergio Moro acatou o entendimento dos investigadores da "lava jato" de que a liberdade do ex-deputado representava risco às investigações.

Segundo a acusação, "há evidências" de que existem contas pertencentes a Cunha no exterior que ainda não foram identificadas, fato que coloca em risco as investigações. Além disso, os procuradores ressaltaram que Cunha tem dupla nacionalidade (brasileira e italiana) e pode fugir do país.

Réu na “lava jato”, Cunha é acusado de ter recebido US$ 1,5 milhão em uma conta na Suíça em troca de sustentação política para Jorge Luiz Zelada, sucessor de Cerveró no setor internacional da Petrobras. Esses valores, segundo o Ministério Público Federal, foram desviados de um contrato da estatal no Benin (África). O ex-deputado também responde por lavagem de dinheiro, pela suposta movimentação financeira no exterior.

A denúncia havia sido recebida pelo Supremo Tribunal Federal, em junho, e chegou às mãos de Moro depois que Cunha teve o mandato cassado. De acordo com a defesa, deputados federais não têm poder de indicar diretores da Petrobras, pois a tarefa cabe ao Conselho de Administração. Afirma ainda que a denúncia erra nas datas dos contratos relatados e não demonstra ingerência de Cunha nos contratos da petrolífera. Com informações da Agência Brasil.

HC 379.915




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 25 de novembro de 2016, 16h18

Comentários de leitores

1 comentário

Feira livre.

Professor Edson (Professor)

Entra com um recurso no STF e torce para cair na mesa do bobalhão primo do Collor , 101% de certeza que vai pra rua.

Comentários encerrados em 03/12/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.