Consultor Jurídico

Notícias

Série de Reportagens

CNMP instaura reclamação disciplinar contra Dallagnol e procuradores

Por 

O corregedor nacional do Ministério Público, Orlando Rochadel, instaurou, nesta segunda-feira (10/6), reclamação disciplinar para apurar os fatos apresentados em reportagem do site The Intercept Brasil que publicou troca de mensagens envolvendo o ex-juiz Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol. 

CNMP instaura reclamação disciplinar contra Dallagnol e procuradores.
MP-RJ

O corregedor nacional determinou ainda a notificação dos membros do Ministério Público Federal integrantes da operação "lava jato" para manifestação no prazo de 10 dias.

A instauração da reclamação foi feita com base em solicitação dos conselheiros do CNMP Luiz Fernando Bandeira, Gustavo Rocha, Erick Venâncio e Leonardo Accioly.

No documento, o corregedor afirma que a imagem social do Ministério Público deve ser resguardada e a sociedade deve ter a plena convicção de que os membros do Ministério Público se pautam pela plena legalidade, mantendo a imparcialidade e relações impessoais com os demais Poderes constituídos.

"O contexto indicado assevera eventual desvio na conduta de Membros do Ministério Público Federal, o que, em tese, pode caracterizar falta funcional, notadamente violação aos deveres funcionais insculpidos no artigo 2362 da Lei Complementar 75/93", explica. 

Clique aqui para ler a íntegra do despacho.
Reclamação Disciplinar 422/2019-93

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 10 de junho de 2019, 20h22

Comentários de leitores

3 comentários

Um site

Cid Moura (Professor)

Qualquer divulga algumas conversas no Telegran e o ADEvogado comentarista do conjur quer prender os interlocutores. Logo o aDEvogado que deveria prezar pela ampla defesa e contraditório. Esta classe não se ajuda, até os comentaristas de futebol tem mais credibilidade.

CNMP instaura reclamação disciplinar contra Dallagnol e proc

José Brenand da Silva (Outros)

Algum sapiente, já havia comentado , e eu reafirmo, que o DIPLOMA, não faz um homem, esse porem é quem faz o DIPLOMA, e exemplos disso, estar na conduta de um presidiário, que foi de berço sem eira e beira, que não sendo possuidor de Diplomas, mantem sobre rédeas curtas, pseudos sapientes, por serem possuidores de um "diploma universitário". O preso mó, é o LULA, esse por ser politico , a imprensa se preocupa e falam nele, outros, mantem batalhões de advogados como defensores e pombos correios; exemplos: Marcola e Fernandinho Beira Mar. É de perguntar, onde estar a ética, e a moral e social, desses que condenam, ou desejam ver o fim dos MOROS e dos Dallagnols ??????????

Prisão

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

De acordo com Dallagnol, Moro, e todo esse pessoal, a possibilidade dos acusados combinarem versões é causa de prisão preventiva, usada à exaustão na "Lava Jato" sob esse argumento. Assim, causa espanto o fato de Moro e Dallagnol estarem soltos, considerando a possibilidade de combinarem versões sobre o episódio.

Ver todos comentáriosComentar