Consultor Jurídico

Notícias

suspeitas financeiras

Fux suspende investigações sobre Fabrício Queiroz

Por 

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu, nesta quarta-feira (16/1), as investigações em andamento no Ministério Público do Rio de Janeiro sobre movimentações financeiras suspeitas de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), que foram identificadas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

A decisão liminar, em sigilo de Justiça, se baseou em uma reclamação impetrada por Flávio Bolsonaro na corte no mesmo dia. Em nota, o MP-RJ, afirma que o ministro determinou que a apuração seja suspensa até que o relator da ação, ministro Marco Aurélio, se pronuncie sobre a continuidade dela, após o recesso do Judiciário, a partir de 1º de fevereiro.

Fux afirmou ainda que, como Flavio Bolsonaro é senador, tem prerrogativa de foro perante o STF. 

Denúncia
No começo de dezembro, Queiroz foi apontado em relatório do Coaf como tendo movimentado em um ano R$ 1,3 milhão, valor considerado incompatível com sua renda. Já no fim de dezembro, Queiroz afirmou, em uma entrevista ao SBT, que a movimentação atípica de dinheiro é de comércio de carros.

“Eu faço dinheiro, compro, revendo, sempre fui assim, gosto muito de comprar carro de seguradora. Essa movimentação financeira veio de revenda de carros”, disse.

Clique aqui para ler a decisão.
RCL 32989

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 17 de janeiro de 2019, 13h34

Comentários de leitores

3 comentários

Já virou 1,3 milhão?

Felipe Soares de Campos Lopes (Advogado Assalariado - Criminal)

Não eram 600 mil reais que foram depositados e depois sacados / transferidos?

O brasil precisa mudar

RENATO DE OLIVEIRA FURTADO (Advogado Autônomo - Criminal)

Precisa mudar urgentemente o Brasil. Mas não será com inusitadas decisões como esta que a mudança poderá vir. Definitivamente, NÃO ! Tem que ver isso aí.....

Errou

Professor Edson (Professor)

O ministro Fux pisou na bola.

Comentários encerrados em 25/01/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.