Consultor Jurídico

Tipo ignorado

Crime omissivo impróprio é modo de punir dirigentes de empresas, diz Pierpaolo

Por 

A doutrina correta para se responsabilizar pessoas físicas por delitos cometidos por empresas não é utilizada, na avaliação do criminalista Pierpaolo Cruz Bottini. O advogado, que atua em casos da operação “lava jato”, entende que o conceito correto para esses casos é o de crime omissivo impróprio — um tipo quase ignorado pela dogmática e pela jurisprudência.

Pierpaolo ressalta que falta de uso do princípio pelas cortes, faz com que crime omissivo ainda tenha pontas soltas.Nelson Jr./STF

Pierpaolo foi um dos palestrantes do primeiro dia do seminário de Direito Contemporâneo organizado pela Universidade Humbold da Alemanha e pela Faculdade de Direito da USP, em São Paulo.

Ele falou sobre a dificuldade de o Direito Penal conseguir identificar e responsabilizar pessoas por danos e lesões no âmbito empresarial.

“Ninguém tem domínio pleno da cadeia produtiva em um contexto da massificação da produção e da relação de consumo. Daí que nasce o termo ‘irresponsabilidade organizada’. Acontece de várias pessoas terem pequenas atitudes, aparentemente inócuas, e a soma dessas condutas gera o dano. Assim, o Direito Penal tem uma dificuldade brutal de identificar responsabilidade da pessoa física”, disse.

O advogado afirma que, caso seja utilizada a definição clássica de culpado como quem faz o ato, presidentes e diretores de empresas muitas vezes não devem responder, já que são seus subordinados que fazem o que é popularmente conhecido como trabalho sujo.

Fora de contexto 
Um caminho que se tem adotado no Brasil, desde o julgamento da Ação Penal 470, o processo do mensalão, é utilizar a teoria do domínio do fato: quem está no topo tem a capacidade de saber de tudo e de interromper desmandos.

O criminalista não concorda com a forma como o entendimento alemão tem sido aplicado no Brasil, já que as empresas são organismos coletivos e de muitos tentáculos, o que dificulta essa sequência de fatores.

“Posso usar a teoria dos aparatos organizados do poder, que diz que ao se colocar em ação um aparato ou uma estrutura , o que as pessoas fazem dentro deste contexto é responsabilidade sua. Ainda que não se tenha pleno conhecimento de tudo, pois são seus soldados. Mas os autores alemães dessa teoria dizem que isso não se aplica a empresas de atividade lícita”, afirma.

Foco no sujeito
A teoria do crime omissivo impróprio, explica Pierpaolo, determina que seja definido internamente um profissional responsável por impedir determinados resultados e práticas — chamado de “garante”. Caso irregularidades aconteçam, ele é quem seria responsabilizado penalmente, se comprovado dolo em sua omissão.

“Isso gera uma série de pontas soltas na nossa dogmática: eu posso responsabilizar alguém pelo comportamento doloso de outra pessoa, de um funcionário? Temos que fixar o que é poder do garante, o tamanho do dolo, se aplica-se cegueira deliberada. E temos que fazer isso com jurisprudência, mas as cortes ignoram esse conceito que está previsto no código penal. Só as jurisprudências irão dar as respostas para essas pontas soltas”, ressalta.

Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 17 de maio de 2018, 19h42

Comentários de leitores

4 comentários

Discussão deveras interessante

João Bremm (Outros)

Infelizmente, a aplicação de tal teoria poderia blindar os altos escalões. Sanando-se tal brecha, a conversa muda.

Felipe Soares de Campos Lopes (Advogado)

Hans Zimmer (Assessor Técnico)

Definitivamente, a responsabilidade objetiva não deve ser admitida em direito penal. Meu comentário foi justamente uma crítica à adoção da teoria do domínio do fato em sentenças não muito bem fundamentadas para camuflar o que na verdade é a condenação da pessoa simplesmente por presumir que, por sua posição na empresa, tinha conhecimento de conduta criminosa.

"Domínio do fato"

Felipe Soares de Campos Lopes (Advogado Assalariado - Criminal)

De fato já vi críticas aqui e ali acerca de como a jurisprudência nacional tem aplicado o instituto como forma de ampliar a responsabilidade de uma pessoa ou outra meramente com base na posição em que ocupa em dada cadeia de fatos / estrutura organizacional.
Que eu saiba, tal posição não implica em domínio do risco concreto a determinado bem jurídico, que é o que a teoria em apreço postula.

Ao senhor Zimmer, que comentou abaixo, lembro-lhe que responsabilidade objetiva penal é uma aberração jurídica.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 25/05/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.