Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Lapso temporal

Acórdão anulado não pode produzir efeitos jurídicos, decide 6ª Turma do STJ

Por 

Depois de anulado por decisão judicial, um acórdão não pode continuar produzindo efeitos. A tese foi definida pela 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça para reformar decisão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região que dava a um acórdão da corte o poder de interromper o prazo prescricional de acusação contra empresário por peculato, estelionato e corrupção.

STJAnulação de acórdão pelo Supremo torna condenação nula, e não resulta em absolvição, afirma o ministro Nefi Cordeiro

O voto vencedor, do ministro Nefi Cordeiro, explicou que se o acórdão é nulo, os efeitos que produziu, também. "Não consigo acompanhar a compreensão de que anular é o mesmo que absolver. Na absolvição há efeitos jurídicos, já na anulação, os efeitos são de invalidade, jamais os efeitos de uma persecução penal em desenvolvimento, que deveria ser a compreensão para afastar a prescrição", afirmou o ministro em seu voto.

O empresário teve a denúncia recebida em 2000 por envolvimento no caso "Lalau", conhecido como o escândalo do TRT de São Paulo. Ele era corréu na ação. Foi o processo que apurou denúncias de desvio de dinheiro na construção de um fórum trabalhista, pelo qual foi condenado o juiz Nicolau dos Santos Neto, então presidente do TRT-2. 

Mas o caso agora anulado pelo STJ ainda não teve fim. O empresário, representado pelos advogados Eugênio Carlo Malavasi e Victor Waquil Nasralla, foi absolvido em 2002 em primeira instância, mas depois condenado pelo TRF-3 em 2006. Oito anos depois, o Supremo Tribunal Federal anulou a condenação e o caso voltou ao TRF.

Em 2015, o tribunal voltou a condenar o empresário e rejeitou as teses da defesa de que os crimes de peculato e estelionato estariam rescritos. Pra o TRF-3, embora a primeira condenação tivesse sido anulada pelo Supremo, ela interrompeu o prazo prescricional.

O ministro Nefi Cordeiro, ao reformar a decisão de 2015 do TRF, observou que se passaram mais de 15 anos entre a denúncia e o julgamento pelo STJ — bem mais que os 12 anos de prazo prescricional para os crimes de peculato e estelionato.

Nefi foi acompanhado pelos ministros Antônio Saldanha e Sebastião Reis Jr. Ficaram vencidos os ministros Rogério Schietti e Maria Thereza de Assis Moura, para quem a anulação do acórdão original do TRF-3 resultou na absolvição do réu, e não na nulidade de sua condenação.

Clique aqui para ler o acórdão.
HC 353.882

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 8 de agosto de 2018, 8h09

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 16/08/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.