Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Vasos comunicantes

Ajufer diz ignorar depósitos feitos por Marcos Valério

Por 

A juíza Solange Salgado, presidente da Ajufer — Associação dos Juízes Federais da 1ª Região, afirma que desconhece qualquer depósito em favor da associação feito pela DNA Comunicações, agência do empresário Marcos Valério. Com a quebra do sigilo bancário do empresário, constatou-se um depósito de R$ 70 mil para a Ajufer, segundo revela nesta terça-feira (26/7), o jornal O Estado de S. Paulo (clique aqui para ler a noticia no Portal Estadão).

“É uma enorme surpresa”, afirmou Solange Salgado, em entrevista para a revista Consultor Jurídico. “Recebemos patrocínio dos Correios para dois de nossos eventos, assim como contamos com a colaboração de outras empresas estatais como a Petrobrás”, ela acrescentou. Segundo a magistrada, os Correios patrocinaram dois eventos da Ajufer, em 2003 e 2004, no valor total de R$ 140 mil.

Solange Salgado afirmou que, em 2003, a Ajufer promoveu em Macapá, capital do Amapá, um encontro de estudos com magistrados da região Norte que, além do apoio de R$ 70 mil dos Correios, também foi patrocinado pelo Incra e pela Petrobrás. No ano seguinte, os Correios voltaram a contribuir com R$ 70 mil para um seminário sobre as relações do Judiciário com a mídia, realizado na Costa do Sauipe, na Bahia.

“Nunca recebemos o apoio de empresas privadas”, disse Solange Salgado que já pediu aos Correios cópias dos autos do procedimento administrativo dos dois patrocínios para a Ajufer. “Queremos saber em que momento os depósitos, que deveriam ser feitos pelos Correios, foram transferidos para essa agência de publicidade”, afirmou.

Leia a nota oficial da Ajufer

Nota à imprensa

A Associação dos Juízes Federais da 1ª Região – AJUFER, diante dos fatos narrados pela imprensa relacionados à transferência de valores da conta do empresário Marcos Valério Fernandes de Souza para esta entidade, vem a público esclarecer.

1) A Ajufer e seu corpo diretivo nunca mantiveram nenhum contato com a empresa DNA e nem nenhum dos seus integrantes.

2) A Ajufer externou pleito institucional à Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos para co-patrocínio de Encontros de Estudos nos anos de 2003 e 2004. Ambos foram deferidos no valor de R$ 70.000,00.

3) É procedimento normal das Associações oficiar pedidos de patrocínio às empresas públicas – ante a presunção de idoneidade que milita em prol desses entes públicos –, para subsidiar eventos de estudos dos seus membros. A Ajufer recebeu com imensa estranheza, estarrecimento, incompreensão, indignação o fato de que os Correios, por conta própria, portanto, sem qualquer anuência da Ajufer, ter delegado a uma empresa de publicidade efetuar depósito de valor de patrocínio legalmente solicitado e deferido.

4) A Ajufer, diante do que revelou a quebra do sigilo das contas bancárias do empresário Marcos Valério, indicando o repasse do referido valor para esta entidade associativa, solicitou aos Correios cópia dos dois processos de patrocínio para esclarecer à sociedade a total desvinculação da Ajufer em relação ao referido empresário ou suas empresas.

5) A Ajufer, tão logo receba da ECT a cópia integral dos dois procedimentos de patrocínio, os disponibilizará a qualquer veículo de Imprensa bem como os entregará aos membros da CPMI dos Correios.

6) A Ajufer permanece disponível para o esclarecimento de quaisquer dúvidas relacionadas ao fato e reafirma sua indignidade com as irregularidades já levantadas pela CPMI dos Correios. Ressalta que o Poder Judiciário, ao contrário do que foi afirmado na imprensa, não tem nenhuma ligação com a malha de corrupção que vem sendo apurada pela CPMI dos Correios.

Juíza Solange Salgado

Presidente da Ajufer

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 26 de julho de 2005, 12h05

Comentários de leitores

6 comentários

Será correto que o correio, uma empresa pública...

LUÍS  (Advogado Sócio de Escritório)

Será correto que o correio, uma empresa pública, pague encontro de associação (privada) de magistrados? Não é uma apropriação indireta do dinheiro público, repassada ao povo mediante o mopólio postal?

Cade a busca e apreensão com todo aquele aparat...

LUÍS  (Advogado Sócio de Escritório)

Cade a busca e apreensão com todo aquele aparato da Federal com mascarados e metralhadoras, tudo pré-agendado com a Rede Globo? E onde está o acusado sendo preso, algemado e humilhado? Espero que certos dirigentes de linguarudos reflitam mais antes de dizerem as asneiras que andam falando por aí. D´Urso estava com a razão.

A vida é mesmo assim, nada como um dia após o ...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

A vida é mesmo assim, nada como um dia após o outro. SE o caso for adiante, para o processo será necessário um advogado (ou muitos). Agora o advogado tem serventia! Por que não vão atrás da polícia federal e do MPF?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 03/08/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.