Consultor Jurídico

Omissão do Estado

TJ-SP confirma obrigação de banhos quentes a todos os detentos do estado

Por 

Respeito, dignidade humana e condições de ressocialização aos presos são obrigações do Estado. Com base nesse entendimento, a 3ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve decisão que obriga o governo de São Paulo a fornecer banhos quentes a todos os detentos do estado.

ReproduçãoTJ-SP confirma obrigação de banhos quentes a todos os detentos do estado

A ação civil pública foi ajuizada pela Defensoria Pública de São Paulo, alegando que estudos científicos evidenciariam os riscos à saúde dos presos ocasionados pela exposição à água gelada, incluindo inúmeras doenças. Além disso, para a Defensoria, banhos frios seriam um ato de crueldade com os detentos.

A ação foi julgada procedente em primeira instância. O Estado recorreu e disse que, diante da complexidade do sistema carcerário, o cumprimento da decisão causaria tumulto administrativo e a necessidade de alocação de verbas não destinadas a essa finalidade. Para o Estado, a decisão também configurou ingerência do Judiciário nas atribuições próprias do Executivo, violando o princípio da separação do poderes.

No entanto, a sentença foi mantida, por unanimidade, pelo TJ-SP. No voto, o relator, desembargador Marrey Uint, destacou que a 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça já se pronunciou sobre o caso, em recurso da Defensoria julgado em abril de 2017, e concluiu que devem ser fornecidas instalações adequadas para banho dos presos com temperatura apropriada ao clima.

A decisão do STJ, conforme explicado por Uint, se baseia nas Regras Mínimas para Tratamento de Pessoas Reclusas da Organização das Nações Unidas (Regras de Mandela), que possuem um artigo que trata justamente do banho de detentos em condições adequadas, "de acordo com a estação do ano e a região geográfica".

"Entende esta relatoria que não se trata de fornecer mordomia aos internos do sistema prisional paulista ou proporcionar privilégios que indivíduos soltos não possuem, mas apenas possibilitar que, nos períodos frios, tomem banho em temperatura adequada, o que diminui a incidência de doenças e como resultado reduz as despesas com a saúde dos presos", afirmou Uint.

Para o desembargador, o excesso de presos e as condições desumanas dos presídios "envergonham o Estado de São Paulo, máquina motriz da economia do Brasil, com uma das maiores cidades do mundo": "A Carta de 1988, bem como a lei de execuções penais, trazem diversos dispositivos sobre os direitos dos presos (artigos 5º, XLIX e LXIII, da CF e 40, 41, 42 e 432 , da Lei de Execução Penal), mas, lamentavelmente, no sistema prisional paulista, o que se vê é um flagrante desrespeito a essas normas".

Separação dos poderes
De acordo com Uint, a decisão não viola o princípio da separação dos poderes, conforme alegado pelo Estado, pois a Constituição Federal atribuiu ao Judiciário o poder de corregedor das atividades relativas à custódia de presos.

"Respeito, dignidade humana e condições de ressocialização aos presos são obrigações do Estado e dever do Poder Judiciário exigir a efetivação desses direitos. Por sua vez, a falta de previsão orçamentária, a Lei de Responsabilidade Fiscal e a Lei de Diretrizes Orçamentárias não podem ser invocadas como escusa para que se deixe de fornecer banho dos presos em temperatura adequada, sob pena de violação à dignidade da pessoa humana", acrescentou.

1003644-18.2013.8.26.0053




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 28 de abril de 2021, 15h29

Comentários de leitores

2 comentários

Hipocrìsia

Cicera Cristina da Silva (Administrador)

Realmente isso deve ser mais uma forma de lucro dos poderes, manobras para declarações de impostos.
A maioria dos presídios no estado de São Paulo nem chuveiro tem, quanto mais quente. Se trata apenas de um cano, que sai da parede concretada, jorrando água gelada, os chuveiros são improvisados com garrafas pets, para diminuir a pressão da água fria nas costas.
São esses e outros tantos mitos referente ao custo dos egressos no sistema carcerário ao governo, a família é quem supre a maioria das necessidades, principalmente referente a higiene, porque o governo não disponibiliza nem um sabão para a higiêne mais básica humana.

Num país feudal, o que esperar das masmorras?

paulão (Advogado Autônomo)

De acordo com a comentarista, somos o terceiro depósito de presos do mundo, ao que consta, e é tudo indecente, superlotado, sem assistência de qualquer espécie, precariedade em todos os pontos. Medida pontual de sucesso duvidoso. Parece apenas que estão jogando para a torcida (ou seja, pra inglês ver, alguma instituição do exterior)...

Comentários encerrados em 06/05/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.