Consultor Jurídico

TV ConJur

Buscas em escritórios tentam intimidar e acovardar a advocacia, diz Zanin

Por  e 

O advogado Cristiano Zanin Martins, alvo de busca e apreensão em seu escritório e residência, afirmou nesta quarta-feira (9/9), em entrevista exclusiva à TV ConJur, que a investida teve como objetivo intimidar e acovardar a advocacia. 

Zanin concede entrevista à TV ConJur
ConJur

"O principal alvo [da operação] foi o estado democrático de direito. O que aconteceu hoje foi um dos maiores ataques à advocacia que tivemos notícia em nosso país. Não é a primeira vez que a "lava jato" tenta nos intimidar e fazer com que deixemos a defesa do ex-presidente Lula. A "lava jato" não gosta do exercício da garantia constitucional do direito de defesa", afirmou. 

Os mandados foram cumpridos por ordem do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro. Em outra ação penal, Zanin e mais 25 pessoas se tornaram réus por supostos desvios da Fecomercio do Rio de Janeiro.

A investigação tem como base a delação de Orlando Diniz, ex-presidente da entidade, que foi preso duas vezes e tenta negociar acordo de delação premiada com o Ministério Público desde 2018. 

Na denúncia aceita por Bretas, o MPF listava 77 endereços de escritórios, empresas e casas de advogados. O parquet tentou justificar a investida contra profissionais da advocacia afirmando que os pagamentos feitos pela Fecomercio aos escritórios coincidiram com "aquisições de carros e imóveis de luxo no país". Os fatos narrados pelo MPF teriam ocorrido entre 2012 e 2018.

Para Zanin, não há materialidade nas acusações de Diniz. "O uso de delatores como instrumento para alcançar alvos pré-determinados é uma metodologia que a "lava jato" se utiliza desde o começo da operação. Já denunciei isso inúmeras vezes e provei que essa metodologia é espúria, mas é a receita da 'lava jato'". 

Ainda segundo ele, "tudo aquilo que está dito na denúncia é absolutamente inverídico, é uma falácia, é uma inverdade". "O fato é que nós fizemos um contrato com uma entidade privada, prestamos todos os serviços, que podem ser vistos no sistema do nosso escritório. Diante dessa situação, eu penso que a única justificativa para isso que aconteceu é realmente uma tentativa de fazer com que os advogados desistam de utilizar suas prerrogativas e desistam da própria advocacia."

Clique aqui ou veja a entrevista na íntegra abaixo:

Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

 é editora da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 9 de setembro de 2020, 21h28

Comentários de leitores

10 comentários

Até onde vamos?

Eugênio Advogado (Advogado Autônomo - Criminal)

o sumo: Se disser que o juiz tá certo é por ser a favor do governo, do contrário, comunista. Raso demais, penso.
Lamentável é ver que ataques a advocacia tornou-se uma constante em nosso país.
Delação não homologada é base de que mesmo?

Exagero excessivo (desculpem a redundância)

AC-RJ (Advogado Autônomo)

É óbvio que este site publica o que quiser. Também é notória a sua imensa admiração pelo PT. Entretanto, está havendo uma veneração demasiada a esse partido. O referido advogado, conhecido por defender causas ligadas ao PT, está recebendo um destaque exacerbado. Somente hoje foram duas reportagens exclusivas sobre ele, com direito até a entrevista, sem sequer dar qualquer direito de resposta a quem ele ataca. Por que este exagero todo?

E quando tudo for anulado adiante?

Ramiro. (Advogado Autônomo - Criminal)

O Juiz Marcelo Bretas tem um imenso número de decisões anuladas no TRF-2, no STJ, e no STF... E anuladas com justa razão. Há algo chamado Constituição Federal que determina freios e contrapesos e contenções a determinados arroubos, embora nosso CPP seja obra de um notório devoto de sistemas ditatoriais... despiciendo dizer que baixado por decreto em tempo de congresso nacional dissolvido.

Essa promessa de indicação de um "terrivelmente evangélico" para Ministro do STF... Particularmente não tenho o mínimo apreço pelo atual mandatário da presidência, nem mesmo respeito, mas como deputado de vários lustos, três décadas de baixo clero, é só ver com que facilidade arrebanhou o baixo clero do Centrão para seu lado, difícil acreditar que quando chegar a indicação ao STF irá dar uma de "joquei de jibóia", colocar uma piton birmanesa para cuidar dos interesses deus seus coelhinhos...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 17/09/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.