Consultor Jurídico

282 Anos de Prisão

Delação de Cabral não irá reduzir pena de ações em que ele já foi condenado

O relator da "lava jato" no Supremo Tribunal Federal, ministro Edson Fachin, decidiu que o acordo de delação premiada assinado pelo ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral não servirá para beneficiá-lo em ações penais nas quais ele já foi condenado. As penas somam quase 282 anos de prisão. A informação foi divulgada pelo jornal O Globo nesta sexta-feira (21/2).

Sérgio Cabral foi condenado a quase 282 anos de prisão
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Cabral é réu em pelo menos outras 18 ações que ainda estão em curso. Segundo a determinação de Fachin, os benefícios só irão valer para eventuais novas condenações.

O acordo foi firmado com a Polícia Federal em dezembro do ano passado e homologado por Fachin no começo deste mês. O teor da colaboração está sob sigilo.

Logo após a homologação, o procurador-geral da República, Augusto Aras, recorreu da decisão do ministro. O PGR considerou que Cabral não é confiável e disse que o ex-governador segue lavando dinheiro e escondendo recursos ilícitos.

A delação assinada com a PF se concentra em investigações envolvendo autoridades com foro privilegiado que já tramitam no Supremo ou que ainda serão abertas.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 21 de fevereiro de 2020, 16h15

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 29/02/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.