Consultor Jurídico

Notícias

Execução antecipada da pena

Ministro concede liminar para soltar réu preso preventivamente havia dois anos

Por 

Privar da liberdade por período desproporcional uma pessoa cuja responsabilidade penal não foi declarada em definitivo viola o princípio da não culpabilidade. 

O ministro Marco Aurélio concedeu liminar em Habeas Corpus determinando a soltura de um acusado preso preventivamente há dois anos.
Rosinei Coutinho / SCO / STF

Com esse entendimento, o ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, deferiu uma liminar em Habeas Corpus para determinar a soltura de um acusado de homicídio qualificado por motivo torpe e emboscada que estava em prisão preventiva desde 11 de novembro de 2016.

O réu é acusado por fato ocorrido em 1999, e teve a custódia decretada com base em suposta fuga, garantia da ordem pública e gravidade abstrata do crime. A defesa, feita pelos advogados Rafael Garcia Campos e Wanderson Matheus Rodui, afirma que o réu não foi encontrado porque não foi procurado nos dois endereços indicados nos autos do processo.

Os advogados também justificaram o pedido afirmando que não há que se falar em garantia da ordem pública em crime ocorrido há 20 anos e que há jurisprudência consolidada no Supremo no sentido de que a gravidade do crime não é um elemento idôneo para decreto de prisão preventiva. 

A nulidade da citação e ausência dos requisitos da prisão não foram consideras pelo Tribunal de Justiça do Pará e pela ministra Laurita Vaz do Superior Tribunal de Justiça. 

Ao atender o pedido, o ministro Marco Aurélio destaca que há excesso de prazo no caso em que o acusado está preso preventivamente há 2 anos, 4 meses e 8 dias. "A preventiva deve ser balizada no tempo", diz o relator. "Concluir pela manutenção da medida é autorizar a transmutação do ato por meio do qual implementada, em execução antecipada da sanção, ignorando-se garantia constitucional", confirmou.

Clique aqui para ler a decisão.
HC 164.627

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 25 de março de 2019, 16h01

Comentários de leitores

1 comentário

Inofensivo

Jotape (Cartorário)

Libertar uma pessoa que cometeu homicídio à emboscada...?! Esses ministros vivem em outro mundo. Não conhece nossa realidade do dia a dia. Uma pessoa dessa tem que aguardar sim na prisão o julgamento. É perigosa e não tem "pudor" para fazer de novo se necessário. Mas os ministros não correm risco, estão blindados, moram em condomínios, vivem com segurança, viajam de avião. Desse jeito é fácil por um cara desses na rua, não vai "trombar" com ele de forma alguma.

Comentários encerrados em 02/04/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.