Consultor Jurídico

Notícias

Inadimplemento tributário

OAB pede que Supremo não considere crime deixar de pagar ICMS declarado

Por 

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil pediu ao Supremo Tribunal Federal, nesta segunda-feira (18/2), para ser aceito como amicus curiae no Recurso Ordinário em Habeas Corpus 163.334. O Plenário da corte irá decidir se o não pagamento de ICMS declarado é crime. A OAB quer que o STF não considere que a medida é um delito.

Na petição, assinada por Felipe Santa Cruz (presidente), Luiz Gustavo Bichara (procurador especial tributário), Juliano Breda, Oswaldo Ribeiro Júnior e Bruno Lopes, a OAB afirma que, como tem a função de proteger os direitos fundamentais, pode agregar valor à discussão do caso.

De acordo com a Ordem, o fato de o contribuinte registrar em livros fiscais o imposto devido e não o pagar não é crime de apropriação indébita tributária. Isso porque o autor não se apropria de dinheiro público nem descumpre, de forma dolosa, nenhuma obrigação fiscal com o intuito de lesar os cofres públicos.

Para a OAB, só podem ser considerados crimes tributários aqueles casos em que há, além do não pagamento do imposto, o uso de artifícios como fraude, falsidade ou omissão. Caso o contribuinte declare o ICMS e não o pague, haverá apenas inadimplência fiscal, argumenta a entidade.

Além disso, a Ordem sustenta que, nas situações em que o contribuinte deve recolher ICMS por ele devido, não pode praticar apropriação indébita tributária. Afinal, não há apropriação de imposto devido por terceiros, já que o ICMS é devido pelo próprio contribuinte. E cabe a ele decidir se repassa esse custo ao consumidor final.

"Importante destacar que o ônus econômico do ICMS pode ou não ser repassado ao consumidor final, isto é, pode ser embutido no preço então praticado na operação final. O fato de que geralmente é feito esse repasse não permite presumir que sempre assim o será. Essa incerteza, por si só, impede a condenação por uma suposta apropriação indébita, já que a responsabilidade penal depende, no mínimo, da demonstração de que o imposto foi descontado ou cobrado”.

Em seu dia a dia, as empresas atravessam períodos de dificuldades financeiras, destaca a OAB. Assim, é um exagero tornar crime o atraso no pagamento de tributos.

“Num país como o Brasil, que já passou por diversas crises econômicas, e, segundo especialistas, vive a pior retomada de sua história, não é incomum que contribuintes de boa-fé se vejam com dificuldades para arcar com suas obrigações tributárias, atrasando o pagamento de ICMS e outros tributos”.

Dessa maneira, a OAB pede, além do ingresso como amicus curiae, que o STF aceite o recurso dos contribuintes e decida que o não pagamento de ICMS não é crime.

Decisão do STJ
A decisão é aguardada tanto por empresários quanto por juristas. Os primeiros temem passar a responder criminalmente por inadimplência, ainda que declarada ao Fisco. Os segundos criticam o entendimento firmado no Superior Tribunal de Justiça por entendê-lo desproporcional. Especialistas ouvidos pela ConJur apontam que não há como levar a dívida fiscal ao tratamento do Direito Penal. Uma decisão pela criminalização seria uma mudança radical na jurisprudência até aqui.

Em agosto de 2018, por seis votos a três, os ministros da 3ª Seção do STJ negaram Habeas Corpus de empresários que não pagaram valores declarados do tributo, depois de repassá-los aos clientes. Ao seguir o voto do relator, ministro Rogerio Schietti Cruz, a prática foi considerada apropriação indébita tributária, com pena de 6 meses a 2 anos, além de multa.

Até aquele momento, havia divergência entre as turmas da corte. Se, por um lado, os ministros da 5ª Turma consideravam o ato crime, por outro, os da 6ª decidiam em sentido oposto. 

O HC foi proposto ao STJ pela Defensoria Pública de Santa Catarina depois de o Tribunal de Justiça do estado afastar sentença com absolvição sumária. No caso, o Fisco constatou que os denunciados apresentaram as declarações fiscais devidas, mas, em alguns meses de 2008, 2009 e 2010, não recolheram os valores apurados aos cofres públicos. O montante foi inscrito em dívida ativa e não foi pago nem parcelado.

Clique aqui para ler a íntegra da petição.
RHC 163.334

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio de Janeiro.

Revista Consultor Jurídico, 19 de fevereiro de 2019, 15h23

Comentários de leitores

3 comentários

Definição

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

"Boa doutrina" é aquela produzida pelos juristas que enxergam o direito como uma forma de mitigar os problemas sociais, de aproximar-se da verdadeira Justiça, sem descuidar dos preceitos da Constituição Federal e dos tratados internacionais ratificados pela República Federativa do Brasil. Por outro lado, "juristas dos ricos" é um termo impróprio, que não se presta a definir o fenômeno. Quando um jurista tente a favorecer os mais ricos, ou os mais pobres, ele não verdade é um mal jurista pois se afasta do objetivo maior que é o bem a Justiça em favor de todos, independentemente da classe social.

Boa doutrina

O IDEÓLOGO (Outros)

O que vem a ser "boa doutrina"? Aquela produzida pelos juristas dos ricos?

Além

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Os esforços da comunidade jurídica, ao tentar trazer para o Brasil o instituto da proibição da prisão por dívidas, é louvável, mas acaba sendo ineficiente. Hoje, infelizmente, os Tribunais Superiores são praticamente conduzidos pela burocracia estatal, inclusive com servidores preparando votos no lugar de ministros. Essa má conduta, aliada a outras como o divórcio com a boa doutrina, acaba fazendo com que os anseios e vontades desses servidores, sempre ávidos por mais cargos e mais vencimentos (que por sua vez precisa ser alimentada com mais arrecadação fiscal) prevaleça no lugar do bom raciocínio jurídico, entendido esse como sendo a interpretação da lei de acordo com a Constituição, os tratados internacionais, e o bem geral de todos. Dada a deficiência do Judiciário, é preciso mais.

Comentários encerrados em 27/02/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.