Consultor Jurídico

Aval da ANTT

TRF-2 reconhece legalidade de aumento de pedágio na serra do Rio de Janeiro

Por 

Cláusula que estabelece valor de pedágio não pode ser alterada de forma unilateral pelo poder público sem que a concessionária seja compensada. Afinal, o desequilíbrio econômico-financeiro do contrato de concessão coloca em risco a prestação do serviço público.

TRF-2 entendeu que aumento de pedágio foi justificado por obras na estrada
Reprodução

Com esse entendimento, a 5ª Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (RJ e ES) negou apelação do Ministério Público Federal e reconheceu a regularidade da tarifa de pedágio da Concessionária Rio-Teresópolis (CRT) no trecho entre esta cidade e Além Paraíba. A decisão é de 10 de dezembro.

O MPF apontou ilegalidade no critério de atualização dos valores praticado pela concessionária desde o ano de 2011. A tarifa foi aprovada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres. A CRT, defendida pelo escritório sócio do Piquet, Magaldi e Guedes Advogados, argumentou que o reajuste foi legal, uma vez que a concessionária fez obras na rodovia.

O pedido do MPF foi negado em primeira instância, mas o órgão recorreu. O relator do caso no TRF-2, juiz federal convocado Vigdor Teitel, afirmou que a ANTT tem competência para avaliar a legalidade de ajuste tarifário – o que ela fez no caso. E o MPF não apresentou provas técnicas que demonstrassem a ilegalidade dos cálculos.

Além disso, o julgador apontou que a administração pública não pode alterar condições econômicas de contrato de concessão sem compensar a concessionária, como estabelece a Constituição (artigos 37, XXI, e 175, III) e a Lei 8.987/1995 (artigo 9º, parágrafo 4º). A concessionária só pode ser penalizada, disse Teitel, se não cumprir os requisitos de regularidade, continuidade, eficiência, atualidade, generalidade, segurança e modicidade das tarifas.

“A Constituição Federal de 1988 garante ao concessionário do serviço público a justa remuneração pela prestação do serviço, remunerado por tarifa. Por conseguinte, permitir que o poder público, por ato unilateral, altere o valor da tarifa, reduzindo-o, viola o texto maior e compromete o referido equilíbrio econômico e financeiro do contrato de concessão, colocando em risco a continuidade e a regularidade da prestação do serviço, em prejuízo claro à comunidade como um todo”, avaliou o relator.

Antonio Coutinho, sócio do Piquet, Magaldi e Guedes Advogados, elogiou o acórdão. “A decisão garante respeito à expertise técnica da agência reguladora e traz segurança jurídica para a concessionária e todos os demais players deste mercado”.

Clique aqui para ler a decisão
Processo 0038919-64.2015.4.02.5101




Topo da página

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio de Janeiro.

Revista Consultor Jurídico, 21 de dezembro de 2019, 17h38

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 29/12/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.