Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

HC para Garotinho

CNJ abre processo contra juiz do Rio que acusou Gilmar Mendes de corrupção

Por 

O Conselho Nacional de Justiça decidiu, nesta terça-feira (6/11), abrir processo contra o juiz Glaucenir de Oliveira, da Vara Criminal de Campos dos Goytacazes (RJ), que disse que o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, teria recebido propina para conceder liberdade ao ex-governador Anthony Garotinho.

Glaucenir de Oliveira também atua como titular da Zona Eleitoral da cidade e foi responsável pela decisão que determinou as prisões dos ex-governadores Rosinha Matheus e Anthony Garotinho.

Em uma mensagem de áudio em um grupo de WhatsApp de juízes, o magistrado teria insinuado que o Habeas Corpus foi concedido porque o ministro recebeu dinheiro do ex-governador. “Não quero ser leviano”, afirmou Glaucenir, “estou vendendo o peixe tal como eu comprei, de pessoas que sabem porque estão no meio. O que dizem é que a quantia foi alta”.

O relator do processo, corregedor Humberto Martins, votou pela abertura de processo administrativo disciplinar, sem afastamento do cargo. O voto foi seguido por 12 conselheiros. O único voto contra foi do conselheiro Luciano Frota, que votou pela não abertura do processo administrativo disciplinar contra Glaucenir por entender que a retratação que ele fez já foi suficiente.

“A lei orgânica da magistratura proíbe que juízes ofereçam posicionamento contra decisão judicial. A categoria deve estar unida em nome da segurança jurídica. O juiz não pode fazer ataque a outros magistrados. O que se espera de magistrado é diferente do cidadão em geral”, disse o relator.

O presidente do CNJ e do STF, ministro Dias Toffoli, afirmou que o Judiciário precisa zelar pela independência dos magistrados. “Há uma 'epidemia' de tentativas de assassinar reputações de pessoas públicas”, disse.

0010140-30.2017.2.00.0000

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 6 de novembro de 2018, 18h43

Comentários de leitores

4 comentários

Em boca fechada não entra mosquito

Flávio (Funcionário público)

Dispensa qualquer tipo de comentario, dizer que ouviu não sei de quem, que fulano falou, não é uma atitude de um juiz, lamentavel. Em boca fechada, ...

Dúvida

Gelezov (Advogado Autônomo - Civil)

Após rápida reflexão ficam as seguintes dúvida:
Por que o CNJ não investiga o Min. Gilmar Mendes?
O objetivo de quem esta no CNJ, neste momento, é passar a imagem que os membros do Poder Judiciário não estão sujeitos a corrupção? Acima da lei?
Na minha opinião para a busca da verdade seria primeiro apurar a existência da corrupção, solicitando provas, depois processando que estivesse errado.

O CNJ é para todos?

João B. G. dos Santos (Advogado Autônomo - Criminal)

O Juiz Barroso disse em plenário que o Juiz Gilmar Mendes envergonha o tribunal e está sempre atrás de algum interesse que não é o da Justiça (https://oglobo.globo.com/brasil/barroso-diz-que-gilmar-desmoraliza-stf-mistura-do-mal-com-atraso-pitadas-de-psicopatia-22512567) pelo que se indaga: o CNJ abriu alguma investigação?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 14/11/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.