Consultor Jurídico

Notícias

Balanço anual

Delações da "lava jato" no Supremo arrecadam multas de R$ 782 milhões

Os 110 acordos de delação premiada homologados pelo Supremo Tribunal Federal na operação "lava jato" resultaram no pagamento de multas de R$ 782,2 milhões. A informação está num balanço feito pelo ministro Luiz Edson Fachin, relator dos processos sobre a operação.

Colaborações homologadas
Teori21R$ 77,3 milhões
Cármen77R$ 532,9 milhões
Fachin12R$ 171,9 milhões

De acordo com os dados, a maioria dos acordos foi homologada pela ministra Cármen Lúcia, que era presidente da corte quando morreu o ministro Teori Zavascki, relator original da "lava jato".

Enquanto a relatoria não foi redistribuída, a ministra homologou os 77 acordos firmados por executivos da Odebrecht. Somente esses acordos resultaram na arrecadação de R$ 532,9 milhões.

30% dos processos sob relatoria do ministro Fachin são da operação "lava jato"
Fellipe Sampaio/SCO/STF

O balanço feito por Fachin mostra o tamanho da "lava jato" dentro do Supremo. Desde seu início, a "lava jato" teve 300 inquéritos instaurados no STF. Dos que tiveram denúncia oferecida, o Supremo examinou 13 e converteu 8 em ações penais.

Dessas oito, duas foram julgadas. Em uma, a senadora e presidente do PT Gleisi Hoffman, foi absolvida. Na outra, o deputado Nelson Meurer (PP-PR) foi condenado a 13 anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. Ao todo, o Supremo já recebeu 5,8 mil petições relativas à operação e proferiu 1,1 mil decisões e 2,5 mil despachos.

Apesar de todo o esforço do Supremo, ainda há muito a ser examinado na corte. Atualmente há 133 ações cautelares referentes à "lava jato" em andamento no STF. Por meio dessas ações são analisados pedidos como prisões temporárias e preventivas, buscas e apreensões, interceptações telefônicas, quebras de sigilos bancários e telefônicos e quebras de sigilos de dados.

Segundo Fachin, cerca de 30% dos processos do gabinete dele têm relação com a "lava jato", conforme disse em entrevista ao jornalista Heraldo Pereira, da GloboNews. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

Clique aqui para ler o balanço.

Revista Consultor Jurídico, 11 de dezembro de 2018, 11h56

Comentários de leitores

1 comentário

Falta de provas

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

Mas com todo esse dinheiro recuperado, e não me lembro de outra operação que tenha tido esse sucesso financeiro, muitos ainda alegam falta de provas e exagero na condução da operação. Pela velha e batida metodologia de intimar e entrevistar e depois pedir as cautelares, tão reclamadas por alguns, talvez a gente tivesse recuperado aí as gorjetas dos garçons dos almoços de R$ 4.500,00 com dinheiro público.

Comentários encerrados em 19/12/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.