Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Falta de documentos

Ministra do STJ nega recurso de Adriana Ancelmo para voltar à prisão domiciliar

A ministra do Superior Tribunal de Justiça Maria Thereza de Assis Moura negou nesta sexta-feira (24/11) pedido para anular a decisão da Justiça Federal do Rio de Janeiro que determinou a prisão preventiva de Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB). Na decisão, a ministra entendeu que a defesa não apresentou documentos necessários para que o caso seja analisado.

Na quinta (23/10), o Tribunal Regional Federal da 2ª Região aceitou um recurso do Ministério Público e determinou que a ex-primeira-dama seja transferida para o regime fechado. Ela cumpria prisão domiciliar em seu apartamento no Leblon, zona sul do Rio, por ter filhos menores de idade, a partir de uma decisão de um juiz da primeira instância.

Adriana Ancelmo foi levada para a Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, onde está preso Cabral e outros políticos do Rio de Janeiro. Com informações da Agência Brasil. 

Revista Consultor Jurídico, 25 de novembro de 2017, 12h57

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 03/12/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.