Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ex-BB e Petrobras

Aldemir Bendine vira réu na "lava jato" por corrupção e lavagem de dinheiro

Por 

Aldemir Bendine, que foi presidente da Petrobras e do Banco do Brasil, tornou-se réu na operação “lava jato” nesta quinta-feira (24/8), acusado de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva. A denúncia contra ele foi aceita pelo juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba (PR). Bendine está preso preventivamente desde 27 de julho.

O Ministério Público Federal acusa o ex-presidente da Petrobras de ter pedido propina à construtora Odebrecht por meio de intermediários enquanto ainda presidia o BB — já sabendo que assumiria o comando da petrolífera.

Já a acusação por lavagem de dinheiro, diz o MPF, é porque, depois das denúncias contra Bendine virem à tona, um terceiro teria pagado os impostos referentes à propina solicitada. 

Aldemir Bendine foi presidente da Petrobras e do Banco do Brasil.
Reprodução

“Alega o MPF que Aldemir Bendine, por conta da vantagem indevida, ‘deu início a movimentações internas na Petrobrás com o intuito de favorecer o grupo empresarial Odebrecht’, apontando mensagens eletrônicas nesse sentido”, destaca Moro, na decisão.

O MPF afirma que o valor teria sido aceito pela empreiteira com a condição de ser pago apenas depois que Bendine assumisse oficialmente a presidência da Petrobras. O pedido teria sido feito a Marcelo Odebrecht, presidente do grupo do qual a empresa faz parte, e Fernando Luiz Ayres da Cunha Santos, então presidente da Odebrecht Ambiental.

Já o pagamento a representantes de Bendine teria sido feito por Álvaro José Galliez Novis que, segundo o MPF, operava esse caso como prestador de serviços no Setor de Operações Estruturadas da empreiteira. “Sua participação específica foi identificada pela utilização do codinome ‘Paulistinha’ como ‘prestador’ nos registros informais do Setor de Operações Estruturadas quanto às transações em questão."

Moro afirma que, segundo delações premiadas de funcionários da Odebrecht, ‘Paulistinha’ seria Álvaro Novis.

Clique aqui para ler a decisão.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 24 de agosto de 2017, 16h13

Comentários de leitores

2 comentários

Provas

Zé Machado (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Se os delatores não apresentarem provas, a operação lava jato estará definitivamente desmoralizada e comprovado o viés das manobras do supra sumo.

Nem mais, nem menos... Cadeia aos bandidos

Ricardo, aposentado (Outros)

Acidentes de percurso proporcionaram ao país - e a Justiça - alcançar bandidos que eram protegidos em razão de cargos ocupados no alto escalão do Poder Executivo, Empresas Públicas e no Legislativo.
Está faltando chegar, somente, no Judiciário.
Ou alguém é capaz de imaginar que o judiciário - compostos dos mesmos representantes na sociedade, "homens" - é "uma ilha de excelência" ? ? ?
É a hora de passar o país a limpo . . .

Comentários encerrados em 01/09/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.