Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Faltou um

Moro esqueceu de Mantega em primeira decisão que determinou prisão

O juiz federal Sergio Moro se esqueceu de incluir o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega no primeiro despacho em que decretou a prisão preventiva dos acusados de envolvimento em crimes investigados na operação "lava jato". Moro determinou a prisão temporária de sete acusados, e não incluiu o nome de Mantega, o oitavo acusado. 

O erro foi corrigido na sequência. Em um segundo despacho no mesmo dia, Moro afirmou que "faltou o nome do investigado Guido Mantega" no trecho que decreta a temporária e retificou o trecho da decisão. A prisão do ex-ministro já foi revogada pelo próprio juiz nesta quinta-feira (22/9).

Clique aqui para ler as decisões.

Revista Consultor Jurídico, 22 de setembro de 2016, 14h46

Comentários de leitores

3 comentários

Decisão ilógica

Paulo De Lacerda PhD (Médico)

Diante do fato em tela a autoridade do famoso magistrado ficou em cheque!

O que aliás trouxe péssima impressão a sociedade brasileira que assistiu atônita ao espetáculo midiático da prisão por 5 hs do notório personagem político dito " economista brilhante "(sic? )

E responsável pela dita "contabilidade criativa" e novo " modelo da matriz econômica" que quase destruiu a economia nacional nos governos da era PT ser libertado por suposto "ato humanitário"! Pobre Brasil!

Mais um fanático

Contribuinte Sofrido (Outros)

Ah seu filósofo! Chega desse mimimi de que Sérgio Moro persegue A ou B. Ele simplesmente julga. O PT, e seus acólitos, deram o azar de a Lavajato cair na mão de um juiz inteligente, conhecedor da matéria, muito trabalhador e corajoso. Quando ele condena empresários ninguém acha ruim, né? Vocês não concordam com ele nem quando ele se mostra humano, como agora em que ele libera o Mântega. Para usar princípios, além da fria lei, tem que ter ciragem.

Errou

O IDEÓLOGO (Outros)

Ou existe motivo para a prisão ou não existe. Circunstâncias pessoais metajurídicas não podem ser utilizadas para anular prisão.

A sensação de parte da sociedade brasileira é que o Juiz Sérgio Moro, o herói moral da Nação, se apequena ao perseguir integrantes de determinado grupo político.

Comentários encerrados em 30/09/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.