Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ato falho

Dallagnol desconhece e despreza direito de defesa, diz presidente da Aasp

Por 

Ao dizer que a oposição dos advogados à redução das garantias e direitos de defesa vem da experiência com a ditadura militar no Brasil, o procurador do Ministério Público Federal Deltan Dallagnol cometeu um ato falho: compara a resistência às suas ideias com a resistência à ditadura. A conclusão é do presidente da Associação dos Advogados de São Paulo, Leonardo Sica.

Para Leonardo Sica, os discursos do procurador da "lava jato" não
passam de retórica publicitária.
Reprodução

O criminalista critica a postura do procurador do Paraná, que, segundo ele, não compreende o valor da advocacia e do direito de defesa por desconhecer e desprezar ambos. “Talvez despreze por desconhecer.”

Em evento nesta terça-feira, Dallagnol afirmou que o sistema legal brasileiro protege demais o réu e de menos a sociedade e que isso deve ser mudado. Para o membro da auto-proclamada “força-tarefa” da operação “lava jato”, as chamadas 10 Medidas Contra a Corrupção, iniciativa da qual é o patrono, seriam uma forma de reequilibrar essa balança de direitos.

Sica é um crítico das medidas pregadas pelo MPF, que, dentre outras coisas, pretendem permitir o uso de provas obtidas de forma considerada ilícita, reduzir o alcance dos pedidos de Habeas Corpus e fazer testes de idoneidade “surpresa” com servidores públicos (mas não do Ministério Público).

Para o presidente da Aasp, os discursos de Dallagnol não passam de retórica publicitária. “No mais, não me sinto apto para avaliar o discurso do ilustre procurador, pois sou formado apenas em Direito e não tenho como avaliar peças de marketing e publicidade”, critica. 

 é chefe de redação da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 15 de setembro de 2016, 14h19

Comentários de leitores

11 comentários

Força tarefa mpf pr

Paulo De Lacerda PhD (Médico)

Doutos criticam na midia dia a dia as atitudes da força tarefa da lava jato MPF PR por inúmeras razões.
Porem caberá somente ao Judiciário e Congresso Nacional analise concreta do mérito das 10 medidas propostas contra a corrupção sistêmica em tramite no CN
A instalação no Brasil do projeto de poder politico sob égide do mal fadado Forum de São Paulo, e seus notórios artífices já bem conhecidos da Justiça federal e cortes superiores contratam a peso de ouro, bancas de advogados, reais celebridades do mundo jurídico em defesa de casos emblemáticos no âmbito do STF e ou primeira instancia federal em vários estados da federação brasileira..
Entretanto sentenças condenatórias tem sido prolatadas e referendadas por cortes superiores e no entanto recorrem a todas as instancias jurídicas cabíveis por vários anos ou ate mesmo décadas para livrarem-se de suas penas sem obterem êxito em tantos casos bem conhecidos da sociedade brasileira informados pela mídia não comprometida com tal mesmo projeto de poder que levou a nação a mais grave crise econômica e social da Historia recente do Brasil e de repercussão mundial.

Resta clamar aos Céus que a Justiça dos Homens tenham ao menos a PIEDADE dos milhões de brasileiros, e vitimas inocentes de tais perversas e trágicas consequências de ideologias retrogradas e novas matrizes econômicas e contabilidades criativa impostas aos rumos da nação pelos senhores do poder temporal politico que clamam indevida INOCENCIA.
E negam crimes de genocidas sociais diante de milhões desamparados sem empregos que lhe garantam sobrevivência digna em sociedade em dramas humanos inomináveis..

QUE SOFREM AGRURAS EM FILAS INTERMINAVEIS DE HOSPITAIS PUBLICOS ETC.

TRISTE PANORAMA SOCIAL QUE O BRASIL NÃO MEREÇE

POBRE BRASIL

Propaganda não casa com Justiça

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

A publicidade no funcionamento do sistema de Justiça é algo que precisa ser veementemente repudiado. A publicidade na época atual visa iludir. A empresa proprietária de certo produto ou serviço quer que as pessoas adquiram os produtos e serviços, e para isso tenta criar hábitos de consumo sempre tendo em vista vender. Justiça não funciona dessa forma, valendo dizer que sequer a advocacia, que é na verdade uma atividade privada mas inerente ao sistema de Justiça, é permitida utilização de publicidade de massa. Se algum advogado ou escritório de advocacia tivesse criado alguma teoria jurídica, e exposto os termos da peça tal como fez o Ministério Público Federal com o espetáculo processo Lula teria sido afastado da atividade no outro dia pelo Tribunal de Ética, mas não se viu até o momento uma única movimentação no natimorto Conselho Nacional do Ministério Público.

Guerra midiatica...

Gabriel da Silva Merlin (Advogado Autônomo)

O PT e os petistas como sabem que não tem nada pra fazer pelo brahma começaram agora a Guerra midiatica. Inventado mentiras, procurando desqualificar seus inimigos e repetido isso mil vezes para tentar fazer parecer verdade.

Já vimos isso nase eleições de 2014, no processo de impeachment e em qualquer situação que o PT precise ganhar para se manter no Poder.

Esse é o modus operandi sujo dessa quadrilha.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/09/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.