Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Retrato da escravidão

Entidade rediscutirá pedido para tirar quadro de fórum

Por 

Responsável pelo quadro de um escravo negro que a seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil pediu para ser retirado do Fórum Criminal da Barra Funda, a Associação dos Advogados Criminalistas de São Paulo vai rever seu posicionamento sobre o assunto. O presidente da Acrimesp, Ademar Gomes, diz já ter recebido mais de 700 e-mails pedindo que a obra de arte continue exposta, dos quais 200 foram direto para sua caixa e os demais para a caixa da entidade.

Uma reunião da diretoria da Acrimesp foi convocada para a noite desta segunda-feira (17/3), na qual a entidade vai deliberar se aceita os apelos que chegaram a ela e mantém o quadro ou se segue a determinação da OAB-SP e tira a peça do Fórum Criminal Ministro Mario Guimarães. O ofício pedindo a retirada da obra de arte é assinado pela presidente da Comissão de Igualdade Racial da OAB-SP, Carmen Dora de Freitas Ferreira. 

Segundo o documento, o quadro “não reflete a condição atual da população negra” e reforça estereótipos e o preconceito “enrustido em muitas pessoas, que, ainda nos dias atuais, têm a ousadia de se referir ao negro ou negra afirmando ‘vou te colocar no tronco’”. Na ocasião, a Acrimesp respondeu que tiraria o quadro, mas que via nisso uma tentativa da OAB de “esconder nossa própria história”.

Em dois dias, a notícia sobre o assunto publicada pela ConJur já tinha 60 comentários. Todos contrários à retirada do quadro. “Infelizmente a escravidão faz parte da nossa história, esta escrita e representada através de esculturas e telas. Entendo que a Acrimesp não deva retirar este quadro”, disse o advogado Luiz Eduardo Buono. Também seguindo nessa linha de pensamento, o advogado José Valdi questionou se a OAB “vai fechar museus”.  

Outro profissional, Marcelo Rodrigues Barreto Junior, ironizou que “daqui a pouco vocês também irão proibir a divulgação de fatos ocorridos na época da ditadura”. “Não acredito nessa história da OAB, tenho certeza que não passa de uma piada. A nossa OAB não pediria para retirar um quadro que representa nossa história”, disse a advogada Patrícia Lopes.

Já o advogado Frederico Bernardes convocou seus colegas de profissão a se mobilizar pela manutenção do quadro. “É preciso que nos manifestemos contra essa atitude pequena da OAB e fiquemos unidos pra mudarmos coisas grandes”, afirmou. 

Odivan Noronha também foi contra a Ordem e questionou se não seria melhor que a entidade divulgasse obras de arte, “assim como a Acrimesp está fazendo”. 

O criminalista Paulo Sérgio Leite Fernandes escreveu, inclusive, um artigo publicado na ConJur, no qual critica o cerceamento à arte. Ele compara a tentativa da OAB-SP de tirar a obra do fórum à censura ocorrida à arte de grandes mestres. O advogado lembra “numa perspectiva cômica, se dramática não fosse, que pinturas exponenciais de Da Vinci, Michelangelo e Rafael tiveram as partes pudendas recobertas por adereços representativos de folhas de parreira, na Capela Sistina e em locais outros”.

 é chefe de redação da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 16 de março de 2014, 8h14

Comentários de leitores

2 comentários

Ditadura na ordem

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Sob meu ponto de vista, o aspecto principal da questão não é propriamente a retirada ou manunteção do quadro, mas sim a forma como a OAB concluiu que o quadro deveria ser retirado e a imposição desse posicionamento. Como bem mostrou a reportagem a grande maioria dos advogados paulista é a favor da manutenção da obra de arte no local em que se encontra, mas a OAB, que supostamente representaria os advogados, adota posição radicalmente oposta. Há ou não algo de muito estranho?

País sem memória,país sem heróis e sem história...

Riobaldo (Advogado Autônomo - Civil)

Ao lado da pintura do negro flagelado no tronco, deverão por uma foto de igual tamanho do maior dos heróis de sua gente.Luiz Gama, escravo liberto, advogado que lutou a favor do abolicionismo contra a escravidão africana.Devem colocar, ainda, Zumbi dos Palmares, Henrique Dias e tantos outros heróis populares, esquecidos pelos formadores de opinião deste país...desmemoriado.Por isso, quando morre qualquer celebridade dos esportes ou show-businsess, a galera vai aos prantos como se tratasse de herói que lutou em prol das causas populares...

Comentários encerrados em 24/03/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.