Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Equilíbrio do jogo

MP pode investigar, mas com limites, diz Gilmar Mendes

Por 

As regras constitucionais sobre a investigação não impedem que o Ministério Público presida o inquérito ou que faça a própria investigação, desde que essa atuação seja controlada e regulamentada. Da mesma forma, nada impede que o réu colha provas para compor sua defesa no processo criminal. O entendimento é do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, relator de um Recurso em Habeas Corpus que pede a anulação das provas colhidas em ação penal por elas terem sido colhidas diretamente pelo MP, sem participação da polícia.

O caso está na 2ª Turma, e por enquanto tem apenas o voto do relator. Depois do voto do ministro Gilmar Mendes, o ministro Ricardo Lewandowski pediu vista dos autos, interrompendo o julgamento. Em seu voto, Gilmar afirma que o artigo 129 da Constituição Federal, que trata das atribuições do MP, apesar de não falar sobre a investigação pelo órgão, não a veda. E a interpretação o Código de Processo Penal e da Lei Complementar 75/1993, que trata da organização do MP da União, permite concluir que o Ministério Público pode investigar.

“Considerando o poder-dever conferido ao Ministério Público na defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis (artigo 127 da Constituição), afigura-me indissociável às suas funções relativa autonomia para colheita de elementos de prova como, de fato, lhe confere a legislação infraconstitucional”, escreveu o ministro em seu voto.

O grande argumento contra a condução da investigação pelo MP é o desequilíbrio entre acusação e defesa. Se o Ministério Público é o órgão responsável por oferecer a denúncia e depois por fazer a acusação durante o processo penal, não pode ser também o ente que preside o inquérito e colhe as provas. A situação, dizem criminalistas, põe o réu numa situação desfavorável, já que se vê investigado, denunciado e acusado pelo mesmo órgão.

Mas, para o ministro Gilmar Mendes, o argumento não se sustenta. Em seu voto, ele afirma que a investigação pelo MP não desequilibra o jogo, pois sempre estará sujeita ao controle judicial “simultâneo ou posterior”. Isso decorre, segundo o ministro, do fato de ser “ínsito ao sistema dialético do processo” a possibilidade da a parte colher provas para instruir a própria defesa. “Ipso facto, não poderia ser diferente com relação ao MP.”

Limites
Embora defenda o poder investigatório do Ministério Público, o ministro Gilmar Mendes impõe que devem haver formas de controle e limitação a esse poder. Para ele, a atividade de investigar “merece, por sua própria natureza, vigilância e controle”.

O ministro defende que a atividade investigatória do MP deve ser subsidiária à da polícia. O órgão só deve ser acionado nos casos em que a polícia não puder investigar, ou quando não for “recomendável” sua atuação no caso. Exemplos citados por Gilmar Mendes são apurações de lesão ao patrimônio público, de excessos cometidos por policiais (abuso de poder, tortura, corrupção etc.) ou de omissão da polícia.

Gilmar ainda sugere que uma regulamentação da investigação pelo MP deve obrigar o órgão a formalizar o ato investigativo; comunicar formalmente, assim que iniciadas as apurações, o procurador-chefe ou procurador-geral; numerar os autos de procedimentos investigatórios, para que haja controle; publicidade de todos os atos; formalização de todos os atos; assegurar a ampla defesa, entre outros.

Recurso em Habeas Corpus 97.926

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 10 de outubro de 2013, 17h31

Comentários de leitores

17 comentários

A cada um o que lhe compete?

Observadordejuris (Defensor Público Estadual)

"Praepositosque accusator. Id est quaestio!"
Poder em excesso sempre gera abuso. Não há como contestar. É fato!

Choradeira de delegados e alguns Advogados

Frankil (Agente da Polícia Federal)

Senhores, me respondam uma coisa: qual o prejuízo para a sociedade em o Ministério Público investigar crimes? Respondo: Nenhum. Então por que a "choradeira" dos delegados e alguns Advogados? Respondo também: é porque estudaram, estudaram e não passaram na prova do concurso para Promotor ou Procurador da República.
Senhores, a PEC 37 caiu!!! O Ministério Público investiga, vai continuar investigando e denunciando os criminosos e fim de conversa.
O Ministério Público tá requisitando diligências? Tá insatisfeito com a carreira que escolheu? Pede pra sair!
Sou agente de polícia federal e estudando, pra sair, também.
Então estude você também e vá ser Membro do Ministério Público!
É cada um que aparece aqui comentando!

Vamos falar a verdade

Renata Guerra (Outros)

O MP só quer investigar o que trará louros! Quero ver um promotor ou procurador entrando numa favela para achar os assassinos de um favelado, ou pedindo diretamente a quebra de sigilo bancário de um diretor de escola municipal acusado pela população do bairro de desvio do dinheiro da merenda escolar... P nehuma!
O que interessa, geralmene, é investir em autopromoção utilizando a máquina estatal, nada mais!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 18/10/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.