Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Operação suíça

STJ derruba grampos de investigação ao Credit Suisse

Por 

Mais uma operação da Polícia Federal foi derrubada pelo Superior Tribunal de Justiça. Em decisão unânime da tarde desta terça-feira (27/8), a 6ª Turma do STJ anulou todas as escutas telefônicas feitas pela PF na "operação suíça", que investigou denúncias de remessa ilegal de valores à Suíça pelo banco Credit Suisse.

O Habeas Corpus julgado nesta terça-feira foi impetrado pelos ex-executivos Peter Weiss, Carlos Miguel Martins e Alexander Siegenthaler, acusados de lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e crimes contra o sistema financeiro. Eles foram defendidos pelos advogados Alberto Zacharias Toron e Heloisa Estellita. A alegação da defesa é que as escutas foram ilegais porque se basearam “única e exclusivamente em denúncias anônimas”, e a lei determina que, no caso de denúncia anônima, só pode ser feito grampo telefônico depois de diligência.

Em voto proferido no dia 19 de março deste ano, o relator, ministro Sebastião Reis Júnior, concordou com a tese da defesa e concedeu o HC. O caso estava interrompido por pedido de vista da ministra Assusete Magalhães, que queria apurar se realmente não haviam sido feitas diligências anteriores aos grampos. Em seu voto-vista, proferido nesta terça, a ministra Assusete também concordou com o HC. Afirmou que não foram feitas diligências, apenas escutas. Para os advogados, o voto de Assusete foi "contundente".

As escutas haviam sido autorizadas pelo então juiz federal Fausto Martin De Sanctis quando era titular da 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo, que na época julgava apenas crimes financeiros. A operação suíça foi deflagrada em 2006. Segundo a denúncia do Ministério Público Federal, o escritório brasileiro do Credit Suisse era usado para dar aparência lícita às remessas, por meio de operações de investimentos no exterior sem o conhecimento das autoridades brasileiras. Ao todo, foram 17 pessoas denunciadas, 13 delas ex-funcionários do banco.

A decisão desta terça é semelhante à que foi tomada no caso da operação castelo de areia, que investigou a construtora Camargo Corrêa por acusações de crimes financeiros e cuja denúncia também foi recebida por De Sanctis. Como o STJ decidiu que as provas colhidas por meio de grampo eram ilegais, o caso voltou à primeira instância para que fosse apurado se outras provas também sustentam a acusação. O mesmo vai acontecer com o caso do Credit Suisse.

Para Alberto Toron, que fez a sustentação oral, a decisão do STJ no caso da operação suíça “praticamente fulminou a denúncia”. Segundo ele, todas as provas colhidas pela PF no caso decorreram das escutas e, portanto, “estão irremediavelmente contaminadas por elas”. 

Habeas Corpus 131.225

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 27 de agosto de 2013, 19h25

Comentários de leitores

15 comentários

Causa e efeito

Antonio (Procurador do Município)

O Brasil precisa decidir se se respeita a Constituição, integralmente, ou não. Prova ilícita não devem ser aceitas e foi isso que o STJ fêz. a seriedade de uma Nação afere-se pelo nível de respeito à Constituição por parte do povo dessa mesma Nação. Não é caso de criticar decisão judicial subsumida à Constituição. É caso, isto sim, de punir os servidores que desrespeitaram a Constituição e com isso permitiram que eventuais infratores fiquem impunes. Existe neste País uma lamentável confusão entre causa e efeito (não se sabe se por ignorância ou maldade). A prova produzida desconforme com a norma constitucional é a causa, já a anulação desse mesma prova o efeito. Não se crita o efeito, critica-se a causa.

Em tempo

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

A decisão põe em descrédito certo Juiz, Colegiado Federal, Procuradores da República e Delegados Federais com seus agentes. Esses "personagens", que se auto denominam paladinos da justiça, não se manifestam em decorrência do achincalhes, conforme noticiado ? Se não se manifestam é porque concordam, certo? Então está tudo certo !

Pois é !

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Não adianta reclamar, pois quem pode mais chora menos. hahahaha !!!!!
Os inconformados, que selecionem as decisões conflitantes e levem para o CNJ.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 04/09/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.