Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Característica do delito

Tempo em poder de assaltante não configura sequestro

Por 

O período em que uma pessoa passa sob domínio de um assaltante não caracteriza sequestro. Este foi o entendimento do Tribunal de Justiça de São Paulo ao condenar um homem por roubo, mas absolvê-lo da acusação de sequestro. Ele havia sido preso em flagrante utilizando o cartão de crédito da vítima, após roubá-la e permanecer com ela em seu poder por 40 minutos. De acordo com o relator do processo, desembargador Willian Campos, mesmo que o acusado tenha permanecido com a vítima por quase uma hora, "a privação momentânea da liberdade da vítima de roubo faz parte da própria violência tipificadora deste delito, não há se falar também em sequestro, pois ocorreria, então, um 'bis in idem' evitado, adotando-se o princípio da consunção".

O homem e seu comparsa foram presos em flagrante por policiais enquanto utilizavam o cartão da vítima em um estabelecimento comercial. Antes disso, segundo a denúncia, o assaltante abordou a vítima, uma mulher e, simulando ter uma arma, pediu o cartão bancário, ameaçou-a de morte e violência sexual, e a manteve sob a guarda de seu comparsa enquanto sacava dinheiro em caixas eletrônicos. Ele exigiu que ela fingisse que eram namorados e chegou a beijá-la e tocá-la nos seis e nádegas.

Após fazer dois saques, os homens liberaram a mulher, mas foram presos por policiais em um posto de gasolina.

Estupro negado
Se o assaltante faz “um mero toque superficial e fugaz" no corpo da vítima (seios e nádegas), no intuito de disfarçar seu delito, tentando fazer parecer aos transeuntes ser ele namorado ou marido da vítima, não se prova o dolo exigido pelo tipo previsto no artigo 214 do Código Penal (atentado violento ao pudor), segundo a câmara.

De acordo com o relator, "embora tenha o agente passado as mãos pelo corpo da vítima e dado beijos em seu rosto, circunstâncias que devem ser levadas em consideração para o recrudescimento da pena, não há provas quanto ao dolo exigido pelo crime de atentado violento ao pudor".

“Ademais, trata-se de crime grave, cuja ocorrência deve ser reconhecida tão somente se inequívoco o fim lascivo objetivado pelo agente, de modo que se as provas colhidas geraram dúvidas e tornaram controversa a acusação do réu, impõe-se a absolvição com fundamento no (antigo) artigo 386, VI (atual VII) do CPP”, concluiu.

A condenação levou em conta que acusado, além de se aproveitar da vítima, ameaçou levá-la até a favela para abusar dela e então matá-la, “incutindo-lhe terror e trauma psicológico”, para majorar a pena em 1/6, determinando as penas para quatro anos e oito meses de reclusão e 11 dias-multa pelo roubo, e sete anos de reclusão e 11 dias-multa pela extorsão, em regime fechado.

Clique aqui para ler a decisão.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 21 de abril de 2012, 4h40

Comentários de leitores

3 comentários

Impossível praticar roubo sem sequestro?

Diogo Duarte Valverde (Advogado Associado a Escritório)

""a privação momentânea da liberdade da vítima de roubo faz parte da própria violência tipificadora deste delito, não há se falar também em sequestro, pois ocorreria, então, um 'bis in idem' evitado, adotando-se o princípio da consunção"."
Hein? O desembargador está querendo dizer que é impossível praticar roubo sem sequestrar a vítima? Que o sequestro está implícito no tipo penal roubo?
.
Excelência, o sentenciado não praticou apenas a extorsão e o roubo, ele também forçou a vítima a ir consigo a dois estabelecimentos comerciais. Isto faz parte do roubo? Que eu saiba, o roubo se consumou no momento da subtração dos objetos. Após isto, tendo o denunciado mantido a vítima sob seu poder, não se pode negar que houve sequestro, pois a nova conduta foi autônoma, desnecessária à consumação dos demais delitos, e, portanto, totalmente distinta daquelas que fizeram consumar o roubo e a extorsão.
.
O que os nossos tribunais não andam fazendo para beneficiar criminosos? O camarada acabou praticando quatro crimes pelo preço de dois. Uma barganha!

Parabéns

Observador.. (Economista)

Por pensamentos como este, que embasam muitas das decisões e estudos sobre crimes no Brasil, é que vivemos em uma sociedade pacífica.
Temos que prender menos, diminuir penas, deixar condenados o mínimo de tempo na cadeia e interpretar que uma pessoa sequestrada,de fato, não está sequestrada.Ela está "emprestada" ao bandido naquele momento.Só isto.Somos um povo pacífico e cordial.
Os 50.000 que morrem todo ano assassinados?Estes...ah...estes que não se encaixam nestas teses e visões de um mundo melhor, a gente deixa de fora.

Viva!

Neli (Procurador do Município)

O Direito Penal mínimo!!!!

Comentários encerrados em 29/04/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.