Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Violência doméstica

Juiz condenado por bater na mulher perde o cargo

Por 

Uma agressiva briga de casal pôs fim à carreira do juiz James Allen, que atuava na corte superior da Inglaterra. Ele foi expulso da magistratura depois de ter sido condenado por bater na sua mulher. Os dois, que continuam casados e morando juntos, ainda podem responder por mentir em juízo, já que tanto a mulher como James negaram a agressão.

A briga na casa de James e Melanie Allen começou por um motivo: fome. O marido de 61 anos queria comer, mas a mulher de 44 anos, em vez de preparar o jantar, conversava com a faxineira. Ela estaria consolando a sua funcionária, que havia descoberto que a mãe tinha câncer. O consolo durou tempo demais aos olhos famintos de James e, depois que a faxineira foi embora, começou a briga.

A partir daí, a história tem duas versões. A Polícia conta que foi chamada por uma terceira pessoa para impedir que James matasse a mulher. Os policiais que foram até a casa dos dois disseram que, ao chegar lá, Melanie estava com o rosto machucado, contou que o marido já tinha a agredido outras vezes e que iria se separar dele.

Na Justiça, a história contada pelo casal foi outra. Marido e mulher confirmaram um desentendimento mais acalorado, mas Melanie explicou que foi ela mesma que se bateu: deu três socos no rosto para impedir que o marido deixasse a casa. A versão dos Allen não convenceu. Em junho deste ano, ele foi condenado por violência doméstica. Os dois ainda devem ser investigados por mentir em juízo, após terem jurado falar a verdade. Um laudo médico seria a prova de que os machucados no rosto de Melanie não poderiam ter sido causados por ela própria.

Nesta semana, mais uma punição foi anunciada. James Allen foi expulso da magistratura. Ele, que é advogado de formação, ocupava uma das cadeiras na corte superior de Justiça da Inglaterra. Uma comissão ligada ao governo responsável por apurar reclamações contra juízes (Office for Judicial Complaints, em inglês) considerou que as atitudes de James prejudicam a imagem do Judiciário e, por isso, ele deve ser afastado da magistratura. A decisão foi chancelada pelo chefe de Justiça, Lord Judge, e pelo secretário da Justiça, Kenneth Clarke.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico na Europa.

Revista Consultor Jurídico, 6 de novembro de 2011, 8h43

Comentários de leitores

4 comentários

Sensível diferença...

mantoniogs (Advogado Autônomo - Administrativa)

Realmente, não dá para comparar. Somos um pântano em termos de sistema jurídico. Em outras categorias, somos brejo... Vide a recente polêmica da Grande Magistrada Eliana Calmon, que quer somente cumprir a Constituição, enquanto a Ajufe e AMB, padrão pântano, insistem em obtar suas ações.... Somos, enfim, uma nação lamentável... Mais recentemente, a Ilustre Magistrada quer somente fixar um eixo ético e deliminar regras para o conflito de interesses... coisa que alhures nem precisaria fazer, mas aqui, em pindorama, tem de escrever porque faltou educação básica a muitas pessoas, inclusive aos julgadores...

Se fosse aqui ele seria premiado com a Aposentadoria

Olympio B. dos S. Neto (Advogado Autônomo)

Isso sim é que é exemplo do que deve ser feito com os juízes que não honram a toga.

ORIUNDO DA ADVOCACIA

KOBA (Outros)

Lembrando que ele era advogado e que provavelmente voltará ao seu antigo ofício.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 14/11/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.