Consultor Jurídico

Pedido inviável

STF nega Habeas Corpus a Fernandinho Beira-Mar

Não cabe ao Supremo Tribunal Federal examinar uma questão que sequer foi analisada pelo relator de Habeas Corpus com o mesmo pedido enviado ao Superior Tribunal de Justiça, que o julgou prejudicado. Com esse entendimento, a 2ª Turma do STF não conheceu do Habeas Corpus, impetrado pela defesa de Luiz Fernando da Costa, mais conhecido como Fernandinho Beira-Mar, contra decisão do STJ que julgou prejudicado um HC lá impetrado.

O ministro Celso de Mello disse que Beira-Mar buscava, com o HC, o reconhecimento da inconstitucionalidade do Regime Disciplinar Diferenciado (RDD). Pretendia que fosse determinado que “quaisquer decisões que, no futuro, eventualmente venham a impor o RDD em desfavor do paciente sejam neutralizadas, desde logo”. E isso, segundo o ministro relator, “é inviável”.

O ministro leu ementa do parecer emitido pela Procuradoria-Geral da República. Nele, o procurador lembrou ser Fernandinho Beira-Mar líder do Comando Vermelho e se manifestou pela denegação do pedido. O  procurador contestou a alegada inconstitucionalidade do Regime Disciplinar Diferenciado, afirmando que ele é “compatível com as ações criminosas do réu”.

De acordo com os autos, a defesa de Fernandinho Beira-Mar alegava inconstitucionalidade incidental do RDD a que foi submetido. Entretanto, o relator do processo no STJ entendeu que a questão estava superada, uma vez que já se havia esgotado o período em que Beira-Mar esteve submetido ao RDD. Os demais ministros da 2ª Turma do STF acompanharam o voto do relator, ministro Celso de Mello. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

HC 104.815




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 20 de outubro de 2010, 7h19

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 28/10/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.