Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Falha no sistema

Lacuna permite Juizados decidirem diferente do STJ

Por 

Uma falha no sistema recursal dos Juizados Especiais Estaduais permite que dois entendimentos contrários estejam em vigor e não possam ser uniformizados. Quando o Supremo Tribunal Federal decidiu que a questão da assinatura básica é infraconstitucional, colocou em evidência esse problema. O Superior Tribunal de Justiça tem súmula para dizer que a cobrança é legal. Nas Turmas Recursais, entretanto, costuma prevalecer a visão do consumidor. Decisões estas que não podem ser contestadas no Supremo, por não tratarem de questões constitucionais e também por não terem mais repercussão geral.

A Lei dos Juizados Especiais Federais (Lei 10.259/2001) trouxe uma prevenção para esse tipo de problema: diz que cabe pedido de uniformização de interpretação de lei federal quando houver divergência entre decisões das Turmas Recursais e também quando forem contrárias à jurisprudência do STJ. Já a Lei dos Juizados Especiais Estaduais (Lei 9.099), mais antiga, de 1995, não previu solução para essas hipóteses.

Uma lei poderia resolver o problema nos Juizados Especiais Estaduais. Enquanto houver essa lacuna legislativa, o ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, sugere que a corte seja mais flexível e receba recursos para uniformizar a questão. “A premissas tem que ser essa: toda vez que se tem no cenário nacional decisões divergentes emanadas de Turmas Recursais, a flexibilidade na admissão do Recurso Extraordinário tem que ser maior, sob pena, de o tratamento igualitário ser algo fictício”, disse.

No recurso que tratou da assinatura básica, o Supremo poderia ter entrado no mérito da discussão e resolvido o problema, na opinião de Marco Aurélio. “Talvez os colegas não tenham percebido esse viés”, observou.

O ministro Carlos Britto, também da Suprema Corte, diz que o STF não entrou no mérito da questão da assinatura básica, mas avançou num ponto de vista lateral, que deve servir de diretiva para o Judiciário. Britto, Menezes Direito e Cezar Peluso avançaram no sentido de que não vale cobrar a tarifa, porque entendem que não se trata de um serviço real.

Ao contrário do que se possa pensar, não foi uma “ducha de água fria nos consumidores” porque não impôs a aplicação da súmula do STJ. Representou, na verdade, uma vitória aos consumidores brasileiros, concluiu o ministro, que relatou o RE 567.454, em que o Supremo decidiu pela infraconstitucionalidade da discussão. Para Carlos Britto, a decisão sobre a assinatura básica, por não ser uma matéria de maior complexidade, cabe aos Juizados Especiais.

Desvio no percurso
O advogado especialista em questões de consumo, Francisco Fragata Junior, afirma que é direito liquido e certo ter uma decisão de acordo com a orientação do Superior Tribunal de Justiça. Segundo ele, teoricamente, caberia um Mandado de Segurança no STJ contra essa decisão da assinatura básica, já que o entendimento a favor do consumidor vai contra uma lei federal em vigor.

Ele observa, entretanto, que a Lei de Recursos Repetitivos (Lei 11.672/2008) dificulta as possibilidades de se recorrer. Esta lei impede a subida de recursos quando o tribunal já houver se manifestado e uniformizado a matéria. Fragata diz ainda que muitos juízes nos Juizados Especiais não se preocupam muito com o entendimento do STJ, uma vez que não é possível questionar com os ministros as suas decisões.

O advogado Daniel Agostini concorda com Fragata. Segundo ele, é pacífica a posição de que é direito líquido e certo recorrer de decisões que contrariam lei em vigor. Nesses casos, em tese, um Mandado de Segurança seria o recurso ideal. Na prática, a aceitação pelo STJ seria muito difícil.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 1 de julho de 2009, 9h13

Comentários de leitores

2 comentários

UNIFORMIZAÇÃO

João (Advogado Sócio de Escritório)

O Regimento dos Juizados, instituído aqui na Bahia, prevê a Uniformização pelas Turmas Recursais.
Contudo, em um caso que atuo aqui no Bahia, apesar de requerido, até o presente momento não foi sequer analisado, quanto mais julgado ou discutido pelas Turmas.
Como a julgadora passou por cima, interpus Recurso Extraordinário. Se vai subir ao STF, é outra história, que, provavelmente requererá a interposição do Agravo de Instrumento.

Ilegalidade da assinatura básica

Gustavo82 (Advogado Autônomo)

O STF deveria ter entrado no mérito da questão e decidido expressamente de forma favorável aos consumidores, derrubando a Súmula do STJ. Anteontem o Ministro das Telecomunicações, Hélio Costa, concedeu uma entrevista em que afirma que as tarifas da telefonia brasileira estão entre as mais caras do mundo. Sobre a assinatura básica, falou que era para ser provisória, apenas para custear a expansão da infraestrutura então existente no momento das privatizações, que era restrita. Atualmente já houve significativo avanço, sendo que a tarifa básica não encontra mais razão de ser.
A decisão do STF, contudo, indiretamente beneficia os consumidores, pois bastará ingressarem nos juizados, já que a maioria possui entendimento pela ilegalidade da cobrança. O STJ ficará com a súmula, sem aplicação.

Comentários encerrados em 09/07/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.