Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Um a um

Ministro do STJ vota pela liberdade de Salvatore Cacciola

Por 

Está empatado o julgamento de um dos Habeas Corpus em que ex-banqueiro Salvatore Cacciola pede a liberdade no Superior Tribunal de Justiça. Nesta terça-feira (26/8), o ministro Nilson Naves, da 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, apresentou voto-vista contra a ordem de prisão preventiva decretada pelo juiz 2ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro.

Em junho, quando Cacciola ainda estava preso no Principado de Mônaco aguardado a extradição para o Brasil, a juíza convocada Jane Silva negou o pedido liminar da defesa do ex-banqueiro. A juíza levou sua decisão para plenário na terça-feira passada (19/8), mas o ministro Naves pediu vista.

Logo após o voto de Naves nesta terça, o ministro Paulo Gallotti também pediu vista. No dia 2 de setembro, o julgamento deve ser retomado. Faltam ainda os votos dos ministros Og Fernandes e Maria Thereza de Assis Moura.

Só este ano, a defesa de Cacciola ajuizou nove Habeas Corpus no STJ. Há ainda outros cinco HC em nome do ex-banqueiro no tribunal.

Segundo o advogado Luis Fernando Diegues Cardieri e Carlos Ely Eluf, que defendem Cacciola, o ministro Nilson Naves concordou com a tese de que houve violação dos princípios constitucionais de ampla defesa e do contraditório. Segundo a defesa, ela não foi intimada para apresentar contra-razões.

“Depois da interposição do recurso em sentido estrito pelo Ministério Público Federal o nobre magistrado deveria nos intimar para apresentação dos argumentos defensivos e, após, decidido pela retratação ou não. Isso não foi feito. Isso é o que se discute nesse Habeas Corpus", diz Eluf.

A prisão foi decretada por haver evidências da intenção de Cacciola de não retornar ao país para responder ao processo. Para Jane Silva, não há ilegalidade evidente. A desembargadora entendeu que a decisão de prisão preventiva está amparada no ordenamento jurídico. Semana passada, Jane Silva negou pedido de liberdade em outro HC.

O ex-banqueiro nasceu na Itália, onde morava antes de sua prisão. A defesa de Cacciola alega que ele não fugiu do Brasil, mas retornou à sua terra natal, constituindo advogado para responder aos processos e dando ciência de seu endereço.

No processo que responde na 2ª Vara, Cacciola foi denunciado com outras cinco pessoas, por crime de gestão fraudulenta de instituição financeira e outros ilícitos penais contra o sistema financeiro nacional. Em outro processo, ele foi condenado a 13 anos de prisão por gestão fraudulenta do banco Marka, que quebrou com a desvalorização cambial de 1999.

HC 108.843

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 26 de agosto de 2008, 19h27

Comentários de leitores

31 comentários

Mais uma vez o Judiciário brasileiro nos dá pro...

Quintela (Engenheiro)

Mais uma vez o Judiciário brasileiro nos dá prova que o Brasil é o país da impunidade, da corrupção! O que está acontecendo? Não existe lei no Brasil? Antes esse criminoso tivesse ficado preso em Mônaco! Brasil país da bandidagem! A Bandidagem começa no Supremo Tribunal Federal! Parabéns Sr. Gimar Mendes e membros do STF! Belo exemplo vocês dão ao Brasil! Tenho nojo de todos vocês!

STF - Solta Todos Fácil STJ - Solta Todos no J...

Espartano (Procurador do Município)

STF - Solta Todos Fácil STJ - Solta Todos no Jeitinho

É revoltante essa situação. Afinal, o que acont...

Sargento Brasil (Policial Militar)

É revoltante essa situação. Afinal, o que acontece neste país? Estamos lotados de problemas com tantos corruptos e ainda fomos buscar esse LIXO na Italia, pra que? Para desmoralizar nossa justiça que já pensa em soltá-lo? Ora senhores, temos de pensar em nossos sucessores aqui na terra, nossos filhos e netos...Qual é o legado que vamos deixar para eles? Uma imoralidade a toda prova, essa é a herança para a nossa prole? Ensinei aos meus filhos para que sejam patriotas, honestos e honrados, mas, o exemplo das instituições não correspondem! Pelo amor de Deus, vamos dignificar nosso país.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 03/09/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.