Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Férias estratégicas

Desembargadores envolvidos na Furacão estendem férias

Por 

Os desembargadores federais José Carreira Alvim e José Ricardo Regueira, acusados de negociar decisões em favor da máfia dos bingos, na Operação Hurricane, resolveram aproveitar as férias acumuladas a que têm direito. Eles pediram mais um período para continuarem afastados de suas funções no Tribunal Regional Federal da 2ª Região (Rio de Janeiro e Espírito Santo).

O desembargador Carreira Alvim permanece de férias até 21 de agosto. Já o desembargador Ricardo Regueira só voltará às atividades em 29 de setembro. Após esses prazos, eles terão de voltar ao trabalho, já que as férias a que têm direito acabam.

No dia 31 de julho, o Conselho Nacional de Justiça irá decidir se abre processo administrativo contra os desembargadores do TRF-2, além de outros membros do Judiciário envolvidos na Operação Furacão.

Conforme noticiado pelo ConJur, a expectativa do advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, que representa o ministro Paulo Medina, do Superior Tribunal de Justiça, é de que o CNJ arquive o processo administrativo contra o ministro. Isso porque já existe um procedimento disciplinar no STJ.

No caso dos desembargadores, não há, até o momento, nenhum procedimento administrativo contra eles no TRF-2. Em 14 de junho, o plenário decidiu, por 9 votos a 8, não afastar o desembargador Carreira Alvim do cargo. Os argumentos eram de que, naquele momento, o Supremo Tribunal Federal não havia recebido a denúncia contra os desembargadores. Na oportunidade, foi considerada apenas a possibilidade de o desembargador Carreira Alvim ser afastado, pois o desembargador Ricardo Regueira já estava de férias.

Quando a operação da Polícia Federal foi deflagrada, em 13 de abril, o CNJ abriu uma sindicância para apurar o envolvimento de membros do Judiciário no esquema de venda de sentenças. A defesa do desembargador Regueira entrou com um Mandado de Segurança (MS 26.659), no Supremo Tribunal Federal, pedindo que a sindicância do Conselho fosse suspensa.

O argumento era de que o CNJ havia extrapolado as suas atribuições, pois cabe ao Conselho conhecer as reclamações contra integrantes do Judiciário, mas sem invadir a competência dos tribunais. O advogado alegou, também, que o órgão determinou que a apresentação de defesa junto à sindicância teria um prazo menor ao conferido no Inquérito 2.424, que corre no STF. Além do mais, eles teriam de se defender sem ter tido acesso ao material gravado pela PF, o que comprometeria o direito de ampla defesa.

O pedido foi negado pelo ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal. Segundo ele, não havia, na peça, uma cópia da sindicância que estaria violando o direito do desembargador. “As provas apresentadas são, essencialmente, notícias veiculadas na rede mundial de computadores, sem o necessário fôlego a dar sustento às alegações do impetrante”, afirmou.

Histórico

Os desembargadores estão de férias desde que a Operação Furacão foi deflagrada, em 13 de abril. Na ocasião, foram presos supostos envolvidos em esquemas de venda de sentenças em benefício do jogo ilegal (caça-níqueis) e, após cerca de um ano de investigações nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e no Distrito Federal.

Entre os presos, estavam os desembargadores do TRF-2, o juiz do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, Ernesto da Luz Pinto Dória, e o procurador regional da República João Sérgio Leal Pereira. Eles foram soltos logo em seguida.

Na operação, Virgílio Medina, irmão do ministro do STJ Paulo Medina; Anísio Abraão David, ex-presidente da Escola de Samba Beija-Flor de Nilópolis; Capitão Guimarães, presidente da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro; Antônio Petrus Kalil, conhecido como Turcão, apontado pela Polícia como um dos mais influentes bicheiros do Rio; a corregedora da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Suzi Pinheiro Dias de Matos, entre outros, também foram detidos.


 é correspondente da Consultor Jurídico no Rio de Janeiro.

Revista Consultor Jurídico, 27 de julho de 2007, 0h00

Comentários de leitores

14 comentários

FÉRIAS ESTRATÉGICAS (CONJUR): Histórico Os ...

ruialex (Advogado Autônomo - Administrativa)

FÉRIAS ESTRATÉGICAS (CONJUR): Histórico Os desembargadores estão de férias desde que a Operação Furacão foi deflagrada, em 13 de abril. Na ocasião, foram presos supostos envolvidos em esquemas de venda de sentenças em benefício do jogo ilegal (caça-níqueis) e, após cerca de um ano de investigações nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e no Distrito Federal. Entre os presos, estavam os desembargadores do TRF-2, o juiz do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, Ernesto da Luz Pinto Dória, e o procurador regional da República João Sérgio Leal Pereira. Eles foram soltos logo em seguida. Quem vai por fim a esse estado da justiça? Salvem o Brasil? CNJ faça alguma coisa.

É lamentável o anunciado estado de corporativis...

Vinicius A. C. Esposel (Advogado Autônomo)

É lamentável o anunciado estado de corporativismo a que chegou nossos Tribunais. O verdadeiro espírito do Direito foi lançado ao vento e os verdadeiros operadores já não se importam com a moral jurídica. O importante é a auto proteção. Não importa a que preço.

A Justiça no Brasil faliu. Não fiquemos aborrec...

Jose Antonio Dias (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

A Justiça no Brasil faliu. Não fiquemos aborrecidos com as férias desses Desembargadores. Afinal eles eram a alegria das velhinhas aposentadas que, diariamente, compareciam aos luxuosos salões de Bingo para por fim ao estresse de quem é aposentados. Esses Desembargadores não merecem a persiguição açodada que lhes é feita por protegerem as pobres velhinhas. Que saiam de férias. Aruba tem excelentes Casinos, Hoteis, praias maravilhosas, compras geniais sem falsificação de mercadorias, restaurantes maravilhosos, etc, etc.Preço bem inferior ao que recebiam. Fica a sugestão, ilustres Magistrados!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 04/08/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.