Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Mortes na prisão

Condenados a mais de 20 anos por mortes terão novo julgamento

Por 

O réu tem direito a novo julgamento pelo Tribunal do Júri, em caso de crime continuado, se a pena aplicada for superior a 20 anos de reclusão. A tese também vale para crimes dolosos contra a vida quando são considerados os delitos como se fossem uma só infração.

Com esse fundamento, o Tribunal de Justiça de São Paulo reconheceu a tese da continuidade delitiva (prática de dois ou mais crimes da mesma espécie e condições de tempo, lugar e maneira de execução) e determinou que dois réus sejam submetidos a novo julgamento.

A decisão é da 6ª Câmara Criminal, que acolheu preliminar no recurso apresentado pela defesa de Marco Antônio de Almeida e determinou um novo julgamento. O TJ estendeu a decisão, por meio de Habeas Corpus de ofício, a Nilson Marques de Oliveira.

Os dois foram denunciados e depois condenados a 36 anos de reclusão, cada um, em regime integralmente fechado, por dois homicídios triplamente qualificados (motivo torpe, meio cruel e uso de recurso que impossibilitou a defesa das vítimas). A pena foi aplicada pelo juiz Tércio Pires, do 2º Tribunal do Júri da Capital.

De acordo com a denúncia, em setembro de 1996, no Pavilhão 9 da extinta Casa de Detenção, os réus mataram os colegas Manoel José de Souza Santos e Renato Santos da Silva. As vítimas foram mortas a golpes de facas improvisadas e os acusados contaram com a ajuda de outros detentos. O crime foi praticado por vingança, motivada por desavenças entre os detentos.

O TJ paulista entendeu que as vítimas foram mortas no mesmo momento, pelo mesmo motivo e mediante a mesma forma. Portanto, no caso impõe-se a unificação das penas por meio da tese da continuidade delitiva.

“Assim, presentes as mesmas circunstâncias de tempo, lugar e modo de execução, é o caso de reconhecimento da figura da continuidade delitiva”, afirmou o desembargador Marco Antônio.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 12 de fevereiro de 2007, 10h14

Comentários de leitores

1 comentário

Nunca ninguém conseguiu me convencer dessa. S...

Richard Smith (Consultor)

Nunca ninguém conseguiu me convencer dessa. Se o primeiro julgamento não vale nada se a pena é superior a 20, por quê não passamos logo para o segundo?! Ninguém percebe que é um tiro-no-pé da dignidade da justiça e na presunção de um processo justo?

Comentários encerrados em 20/02/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.