Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Morte do coronel

Carla Cepollina nega, em depoimento, ter matado Ubiratan

Por 

A advogada Carla Prinzivalli Cepollina negou, nesta segunda-feira (5/2), que tenha matado o seu namorado, o coronel da reserva Ubiratan Guimarães. Carla depôs no Fórum Criminal da Barra Funda, na capital paulista. A advogada responde por homicídio duplamente qualificado — motivo fútil (ciúme) e recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

O coronel Ubiratan — comandante da operação que resultou na morte de 111 presos na Casa de Detenção do Carandiru, em outubro de 1992 — foi encontrado morto em seu apartamento, na Zona Oeste da capital paulista, com um único tiro na região do abdômen, em setembro do ano passado.

O depoimento de Carla durou cerca de três horas e foi tomado pelo juiz Alberto Anderson Filho. A defesa foi conduzida pelo advogado Luiz Fernando Pacheco e a acusação, pelo promotor Luiz Fernando Vaggione e pelo assistente Vicente Cascione. As partes (defesa e acusação) entraram num acordo para que o processo deixe de correr em segredo de Justiça.

Carla foi indiciada em setembro do ano passado. Em novembro, o Ministério Público de São Paulo ofereceu a denúncia. De acordo com o MP, Carla sentiu ciúme depois de o namorado ter recebido ligação telefônica de uma mulher e, por isso, o matou.

Carla confirmou que esteve no apartamento do coronel e negou ter dado o tiro. Mas vizinhos afirmaram, em depoimento, que viram a advogada sair do local após o horário em que ele teria sido assassinado. A denúncia aponta ainda que ela entregou à Polícia roupas que, segundo os peritos, seriam diferentes das que usava quando foi filmada pelas câmeras de segurança, ao deixar o prédio.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 5 de fevereiro de 2007, 20h24

Comentários de leitores

3 comentários

Será que o cadaver do coronel ficará com autor ...

Bira (Industrial)

Será que o cadaver do coronel ficará com autor desconhecido?. Isso lembra o caso do dinheiro ilicito, ele existe e ninguém sabe o dono.

Por favor, consulto o site da OAB-sp e a inform...

acdinamarco (Advogado Autônomo - Criminal)

Por favor, consulto o site da OAB-sp e a informação sobre o Advogado Luiz Fernando Pacheco é que não existe inscrito com este nome. Onde está o engano ? acdinamarco@aasp.org.br

Mais uma vez volto ao tema : réu não depõe ; r...

acdinamarco (Advogado Autônomo - Criminal)

Mais uma vez volto ao tema : réu não depõe ; réu presta declarações. Quem depõe é testemunha. As Faculdades não ajudam e os sites jurídicos complicam. acdinamarco@aasp.org.br

Comentários encerrados em 13/02/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.