Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Processo no processo

Procurador Luiz Francisco pretende processar Eduardo Jorge

Por 

O procurador regional da República Luiz Francisco de Souza afirmou que vai processar Eduardo Jorge, que o acusou de falsidade ideológica. É mais um capítulo da briga entre o procurador e o ex-secretário-geral do governo FHC.

Em junho de 2005, Eduardo Jorge levou ao Conselho Nacional do Ministério Público um pedido de processo disciplinar e punição contra os procuradores Luiz Francisco de Souza e Guilherme Schelb. EJ acusa os dois de perseguição imotivada, ilícitos administrativos e criminais.

Nesta terça-feira (19/9), foi ouvida a primeira testemunha de EJ, o advogado Alexandre Poletti. Durante a audiência, o ex-secretário acusou Souza de falsidade ideológica. “Se o senhor repetir essa acusação, vou processá-lo por crime contra a honra”, ameaçou o procurador. Mesmo com a ameaça, Eduardo Jorge se manteve firme: “Reitero que o procurador Luiz Francisco praticou falsidade ideológica”.

O procurador espera, agora, que EJ se retrate na próxima audiência, ainda sem data marcada. Caso contrário, buscará reparação pela ofensa na Justiça.

Testemunha

Na audiência, Souza argumentou que o advogado Alexandre Poletti não poderia atuar como testemunha de EJ pois era seu amigo íntimo e já tinha advogado para as empresas onde EJ tem participações. A defesa de Eduardo Jorge argumentou que Poletti não tem parentesco com EJ, não é seu amigo íntimo e sua relação se restringia a serviços prestados às empresas. Depois da discussão preliminar, ficou decidido que Poletti prestaria seu depoimento como informante e não mais como testemunha, ou seja, sem prestar compromisso de dizer apenas a verdade.

Depois de quase quatro horas de conversa e depoimento do informante, o relator do processo no CNMP, Hugo Cavalcanti, encerrou a sessão. Ele vai aguardar a intimação de novas testemunhas e finalização de algumas provas. Para o conselheiro, a sessão desta terça não colaborou muito com a evolução do caso. Durante a sessão, Hugo Cavalcanti ressaltou que as perguntas da advogada de EJ fugiram um pouco do objeto do pedido.

 é correspondente da Revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 19 de setembro de 2006, 15h45

Comentários de leitores

15 comentários

Se rendeu à técnica de repetição!!!!! ahhhhhh.....

Rodrigo (Advogado Assalariado - Trabalhista)

Se rendeu à técnica de repetição!!!!! ahhhhhh.... cadê meu dworkin...

Meu querido amigo Rodrigo: Estou me borrando...

Richard Smith (Consultor)

Meu querido amigo Rodrigo: Estou me borrando de medo do seu Perelman. Talvez ele consiga me fazer achar que pau é pedra, vaca é cavalo, certo é errado e que Lulla e sua quadrilha são honestos. Um forte abraço, aristotélico e escolástico, para você.

É duro falar a verdade... dói... dói... e ainda...

Rodrigo (Advogado Assalariado - Trabalhista)

É duro falar a verdade... dói... dói... e ainda vem com esse papo furado. Tudo bem escolástico, talvez em outro momento discuta com vc com meu Perelman ao lado. Lá consta um tópico sobre a ironia, corre, pega o livro (tratado da argumentação, martins fontes), e veja que essa técnica até que é interessante, mas têm muitas falhas... obs: cuidado, faltou vc dizer que sou capaz de utilizar técnicas de mensagens subliminares... huuuuuuuu

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/09/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.