Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Contagem regressiva

TJ paulista julga na quarta se anula júri de Pimenta Neves

Por 

Está marcado para quarta-feira (6/12) o julgamento da apelação do jornalista Pimenta Neves contra a sentença que o condenou a 19 anos de prisão pelo assassinato da ex-namorada, a também jornalista Sandra Gomide. A intenção da defesa é anular o júri. O processo tramita na 10ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo. O relator é o desembargador Carlos Bueno.

Sergei Cobra Arbex, assistente de acusação, também apresentará suas razões para que o TJ paulista confirme a sentença e mande Pimenta Neves para a prisão. Isso porque, na sentença condenatória, o juiz de Ibiúna, Diego Ferreira Mendes, manteve o réu em liberdade até que seu recurso de apelação fosse julgado, o que ocorrerá na quarta-feira.

Se o recurso do jornalista for aceito pelos desembargadores, Pimenta Neves continuará livre e um novo júri poderá ser marcado. Caso contrário, o TJ paulista poderá decretar a prisão do réu. “Tenho certeza de que isso ocorrerá”, afirma Cobra Arbex. De acordo com o advogado, a decisão do Tribunal de Justiça terá validade até que outros recursos cheguem a Brasília.

Questão processual

O Superior Tribunal de Justiça já sinalizou que condenado em primeira instância só vai para a cadeia se houver justificativa para o decreto de prisão preventiva. Juridicamente, portanto, presume-se também que Pimenta Neves é inocente. O juiz do Fórum Criminal de Ibiúna, Diego Ferreira Mendes, não encontrou nenhum dos requisitos para a prisão preventiva do jornalista. Por isso, Pimenta Neves teve o direito de recorrer em liberdade assegurado pelo princípio da presunção de inocência.

Os limites desta presunção estão para ser delineados pelo Supremo Tribunal Federal. A questão estava na pauta do dia 18 de abril deste ano, mas foi retirada. O que se discute no Supremo é se o réu, uma vez condenado em segunda instância, ou seja, quando já teve direitos a dos veredictos (conforme determina a regra), deve ser preso para executar a pena ou ainda pode recorrer em liberdade até a sentença transitar em julgado.

Nem nessa discussão está inserido o caso de Pimenta Neves. Ele ainda não teve a condenação confirmada pelo Tribunal de Justiça paulista (vale lembrar que, como o júri é soberano, o TJ pode apenas confirmar o julgamento dos jurados ou anular a decisão e determinar outro júri). Por isso, ressalta-se, ele só poderia ser preso por meio de decreto de prisão preventiva, que tem de ser justificada.

Há, ainda, um outro quesito: se a sentença de pronúncia não transitou em julgado, o acusado não pode ser levado a Júri Popular. A regra está prevista no artigo 416 do Código de Processo Penal. Se aplicada ao caso do jornalista Pimenta Neves, a norma valerá para anular o júri.

Consta nos autos que a sentença de pronúncia de Pimenta Neves não é definitiva. Assim, o julgamento do jornalista não poderia sequer ter começado. O juiz responsável, contudo, recebeu o libelo acusatório e mandou dar andamento no processo.

Um juiz que acompanha de perto o caso afirmou à revista Consultor Jurídico que há um Agravo de Instrumento em Recurso Extraordinário no Supremo Tribunal Federal. Se provido, o resultado do júri do jornalista pode ser anulado. Há também suspeita de parcialidade do conselho de jurados, o que poderia justificar o desaforamento do processo.

Além disso, uma das principais testemunhas do processo, a mulher do jornalista, Carole Pimenta Neves, que mora nos Estados Unidos, não foi ouvida. Se for entendido que o depoimento dela era essencial para o desfecho do caso, a decisão do júri pode ser reformada.

Histórico

Transtornado desde que fora abandonado pela namorada, Antonio Marcos de Pimenta Neves, 69 anos, matou Sandra Gomide com dois tiros disparados a queima-roupa no dia 20 de agosto de 2000. O julgamento aconteceu em maio deste ano, no Tribunal do Júri de Ibiúna, interior de São Paulo e durou três dias.

Uma série de recursos foi ajuizada pela defesa do jornalista, representada pela advogada Ilana Muller, para tentar suspender o julgamento. A advogada insistia em pedir que fosse ouvida no processo a mulher do jornalista, Carole Pimenta Neves, que mora nos Estados Unidos. A intenção era provar com o depoimento de Carole que Pimenta Neves não é um homem violento e que só matou a ex-namorada movido por forte emoção, o que descaracterizaria a qualificação de crime por motivo torpe. Em primeira instância, os pedidos de oitiva foram negados.

A defesa do jornalista apelou da sentença de pronúncia ao Tribunal de Justiça de São Paulo. A segunda instância negou o recurso. Veio, assim, o pedido da defesa para que o Recurso Especial chegasse ao Superior Tribunal de Justiça e para que o Recurso Extraordinário fosse submetido ao Supremo Tribunal Federal.

O TJ não admitiu nenhum dos pedidos. Contra essa decisão, a defesa entrou com Agravo de Instrumento no Superior Tribunal e no Supremo. Como o agravo não suspende o andamento da ação, o processo principal foi encaminhado para o fórum de Ibiúna, que marcou a data do Júri.

Foi aí que a defesa do jornalista ingressou com Medida Cautelar no STJ. O ministro Quaglia Barbosa, no dia 15 de março, deferiu o pedido, e suspendeu o Júri até que tomasse nova decisão. No mesmo dia, Barbosa julgou um Agravo e não afastou da acusação o motivo torpe (por ciúme) para o assassinato de Sandra Gomide.

No mês de abril, O ministro Hélio Quaglia Barbosa, do Superior Tribunal de Justiça, revogou a liminar que suspendia o Júri do jornalista Antonio Marcos Pimenta Neves. O ministro acolheu um agravo apresentado pela acusação.

Depois, um pedido de Habeas Corpus no Supremo e um Agravo Regimental em Agravo de Instrumento no STJ, julgados na véspera da data do julgamento de Pimenta Neves, confirmaram o júri.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 1 de dezembro de 2006, 12h35

Comentários de leitores

10 comentários

O comentário que não houve... Eu iria comentar...

Saeta (Administrador)

O comentário que não houve... Eu iria comentar o fato do tal pimenta(sic) estar em liberdade e conseguir mais uma vez "passar um beiço" na justiça (sic). Mas, de que adiantaria externar minha indignação? O assassino pimenta certamente lê o Consultor Juridico, mormente quando seu nome é envolvido em alguma matéria. Aí, me perguntei se valeria a pena deixar consignada minha opinião...e percebí que de nada adiantaria ser mais um a condenar a leniência dajustiça( sic) neste caso. O "coroa" endinheirado tem o vil metal suficiente para pagar bons (maus) advogados e assim vai se safando do crime covarde que cometeu. A moça usou sua influência para subir na carreira e depois o dispensou. E daí? Será que ele esperava amor, paixão ou algum sentimento da alma por parte dela? Mas, isso é coisa deles...Se foi inocente o bastante para crer que empregos, dinheiro e status fossem suficientes para prender a amante, deu com os burros n'água. Mata-la pelas costas e fugir foi o epílogo mais insano para alguém com a sua idade e pseudo-experiência de vida. O que mais incomoda é a sua liberdade e a desenvoltura com que circula pelas ruas da cidade, permanecendo acima das leis e dos homens que deveriam fazer com que elas fossem respeitadas e temidas. O jornalista é hoje o ícone da impunidade. É a imagem da justiça (sic) sem a venda nos olhos, nua e com a balança pendendo vergonhosamente para o lado do prato mais próximo da algibeira onde está a carteira de dinherio. A justiça ( sic) limita-se a cumprir a lei, mas será que a JUSTIÇA ( aquela a que devemos respeito e admiração), é respeitada ou levada em consideração neste caso?

A justiça costuma andar de braços dados com a f...

Neiva (Professor)

A justiça costuma andar de braços dados com a fortuna. A justiça, não engana - é uma falha humana. Mesmo assim......somos "brasileiros"....não desistimos nunca....

NO PAÍS DA IMPUNIDADE SE VÊ DE TUDO. O QUE NÃO...

Zito (Consultor)

NO PAÍS DA IMPUNIDADE SE VÊ DE TUDO. O QUE NÃO CONSEGUIMOS VÊ É O DEFUNTO LEVANTAR. PRINCIPALMENTE O ASSASSINADO. S. M. J.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/12/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.