Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Gravações de Joesley

Aécio tentou dizer que propina era para advogado, mas a estratégia deu errado

Por 

Na conversa gravada pelo dono da JBS Joesley Batista com o senador Aécio Neves (PSDB-MG), o parlamentar pede R$ 2 milhões ao empresário sob o argumento de que estaria com dificuldade para pagar o criminalista Alberto Zacharias Toron, responsável pela defesa do político em processos da operação "lava-jato". A tentativa de envolver o advogado no esquema, no entanto, não teve sucesso.

Isso porque o repasse de R$ 500 mil ao primo de Aécio, Frederico Pacheco, foi rastreado. Assim, a Polícia Federal verificou que o dinheiro, na verdade, foi parar em Belo Horizonte, na empresa de Gustavo Perrella, filho do senador Zeze Perrella (PMDB-MG), enquanto o escritório de Toron fica em São Paulo.

Aécio foi gravado pedindo R$ 2 milhões a empresário, que serviriam para pagar sua defesa na operação "lava jato".

Após identificar o destino do recurso, a PF afirmou, em inquérito, que a justificativa de Aécio “mostrou-se inverossímil”.

As revelações vieram à tona com a homologação do acordo de delação premiada de sete pessoas ligadas ao frigorífico JBS, entre eles os dois donos da empresa, Joesley e Wesley Batista.  

Além da conversa com o senador, Joesley também gravou um diálogo com o presidente Michel Temer, em março deste ano, no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente. O empresário relata ao chefe do Executivo que estaria dando uma mesada ao ex-deputado Eduardo Cunha e conta com a concordância de Temer.

Joesley também fala a Temer sobre a maneira que está trabalhando para atrapalhar as investigações e o presidente comenta: “Ótimo”. A procuradoria-geral da República irá investigar o chefe do Executivo pelos crimes de corrupção passiva, obstrução à Justiça e organização criminosa.

Além do primo, a irmã de Aécio, Andrea Neves, e um assessor de Zeze Perrella também foram presos preventivamente. O parlamentar foi afastado do cargo, assim como o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-MG), acusado de ser o intermediário de Temer.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 19 de maio de 2017, 18h18

Comentários de leitores

1 comentário

Como fazer uma doação oficial para a operação lava jato?

Ricardo Brito (Professor)

Como fazer uma doação oficial para a operação lava jato? é possível? Como realizar isso legalmente?? quem pode nos responder?? enviei essa pergunta para a Policia Federal e Ministério Público. Esta ação da sociedade pode até não arrecadar grandes valores, mas demonstrará o interesse da sociedade, temos que intervir..... Cortaram 44% dos recursos da PF segundo reportagens...... precisamos nos organizar, pelas próximas gerações!!!

Comentários encerrados em 27/05/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.