Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Processo violado

Eduardo Cunha pede ao Supremo que anule decisão que cassou seu mandato

Por 

Alegando que houve violação ao devido processo legislativo, a defesa do deputado federal cassado Eduardo Cunha pediu ao Supremo Tribunal Federal que restitua liminarmente seu cargo e anule a decisão da Câmara que cassou seu mandato. Ele foi cassado em setembro do ano passado pelo Plenário da Câmara, por quebra de decoro parlamentar. Segundo parecer do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, o ex-presidente da Casa mentiu em depoimento espontâneo à CPI da Petrobras, em 2015, ao afirmar que não tinha contas no exterior.

Eduardo Cunha foi ao Supremo tentar reverter decisão que cassou seu mandato na Câmara dos Deputados.
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Na inicial do mandado de segurança impetrado nesta quarta-feira (4/1), a defesa pede que a decisão do Plenário da Câmara quanto ao processo de Cunha seja deliberada mediante projeto de resolução, assegurando-se o direito à apresentação de emendas, conforme estabelece o regimento interno da Casa. E não como uma simples confirmação de um parecer sobre a cassação ou não, como ocorreu no caso.

Segundo o MS, mesmo que haja a necessidade de submissão do parecer do Conselho de Ética ao Plenário, este último se manifesta em processo disciplinar na qualidade de juiz natural da causa, exercendo atividade jurisdicional residualmente atribuída pela Constituição. Por isso, a defesa argumenta que qualquer pretensão de tolher o direito subjetivo de cada deputado federal à dosimetria da penalidade a ser aplicada ao final do processo é inconstitucional, por representar indevida restrição à sua jurisdição.

“Numa analogia com o processo judicial, admitir como válida tal restrição seria como aceitar que o Regimento Interno de dado tribunal pudesse prever que o Desembargador ou Ministro vota ou com o relator, ou pela extinção do processo sem julgamento do mérito, mas jamais pode apresentar seu próprio voto sobre o mérito da causa”, diz a inicial.

A votação em forma de resolução foi o que aconteceu no impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff (PT) no Senado, que, após a apresentação de destaques, conseguiu a manutenção dos direitos políticos, mesmo tendo perdido o cargo. A votação foi dividida em duas, uma para tratar do impedimento em si e outra para determinar as sanções pessoais. Na ocasião, o ministro do STF Ricardo Lewandowski justificou o fatiamento por causa da aplicação analógica do Regimento Interno da Câmara dos Deputados. O MS impetrado pela defesa de Cunha tem relatoria do ministro Lewandowski.

Cunha está preso em Curitiba desde outubro do ano passado por decisão do juiz federal Sergio Moro. Ele é acusado de receber R$ 5 milhões de propina e ocultar a origem do dinheiro nas contas de seu trust, na Suíça. Na decisão, Moro afirmou que a imposição da prisão preventiva em um quadro de corrupção e lavagem de dinheiro sistêmica é “aplicação ortodoxa da lei processual penal”, citando o artigo 312 do Código de Processo Penal. “Excepcional não é a prisão cautelar, mas o grau de deterioração da coisa pública revelada pelos processos na ‘lava jato’”, disse o juiz da 13ª Vara de Curitiba.

Clique aqui para ler a inicial.
MS 34.578

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 5 de janeiro de 2017, 19h23

Comentários de leitores

1 comentário

A verdadeira enguia ensaboada

hammer eduardo (Consultor)

Apesar de chocar muita gente boa , continuo na minha tese de que "um dia" seremos profundamente agradecidos ao "nosso malvado favorito" pelo enorme favor que fez a Nação Brasileira quando azeitou finamente o processo que afastou dilma e sua trupe de ratos de Brasilia .
Tudo bem que o atual "porteiro do castelo mal assombrado" também não é exatamente a versão brasileira de Madre Tereza de Calcutá porem nesta altura do campeonato ate Saddam Hussein ou Hitler já seria lucro para a nossa semi-destruída Nação.
Eduardo Cunha como se costuma dizer , é aquele que "conserta relógio de pulso com luva de boxe" ou pior , "tira a meia do pé sem tirar o pé de dentro do sapato". Este seu bombástico pedido enviado ao agora pouquissimamente confiável STF certamente deve estar muito bem elaborado pois NINGUEM neste planeta conhece melhor cada ponto e virgula do regimento interno da Camara portanto se o pedido fosse analisado de maneira ISENTA que sabemos muito bem , JAMAIS ocorrerá , certamente Ele já passaria este domingo em casa aqui no Rio mas em vista dos últimos "amaciamentos" produzidos em larga escala por aquela casa atualmente sob suspeita , dificilmente tal fato ocorrerá pois existem coisas no ar voando muito acima ate do Aviões de carreira.
O STF também malandramente já embarcou no "papinho jacaré" da necessidade de deixar tudo como está senão viraremos uma Venezuela produzida no Paraguai e encaixotada na Bolívia.
Aguardemos portanto 2018 quando a patuleia terá MAIS UMA chance de não fazer lambança nas urnas , apesar de que considerando 4 eleições que levaram os petralhas ao "pudê" , o quadro se mostra muito desanimador. Pobre Brasil.....

Comentários encerrados em 13/01/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.