Consultor Jurídico

Notícias

"lava jato"

Vídeo acusa MPF de fabricar acusação e forjar denúncia

Por 

Começou a circular na internet neste sábado (13/2) um vídeo de trecho de depoimento de Paulo Roberto Costa, ex-diretor de serviços da Petrobras, desmentindo uma das teses do Ministério Público Federal na operação “lava jato”. No dia 11 de fevereiro de 2015, meses antes de ser oferecida a denúncia envolvendo a petroquímica Braskem, do grupo Odebrecht, o executivo diz que “não existe preço amigo para a Braskem”.

Segundo Paulo Roberto Costa, os preços de fornecimento de matéria prima para a Braskem eram definidos pela área técnica de sua diretoria, sem que ele interferisse. Portanto, os preços que a companhia pagou para comprar nafta ou propeno, por exemplo, foram os mesmos preços praticados pelo mercado.

De acordo com a denúncia do MPF à Justiça Federal, a Braskem causou prejuízos de R$ 6 bilhões à Petrobras entre 2009 e 2014 por causa de contratos subfaturados de compra de nafta. Isso foi conseguido por meio do pagamento de propina a Paulo Roberto Costa e “outros agentes ligados a ele”. As informações foram prestadas pelo doleiro Alberto Youssef, que também presta depoimentos em regime de delação premiada à “lava jato”.

No entanto, conforme o depoimento de Costa, Youssef não tinha como saber disso. “Dessa parte técnica ele não sabe. Youssef entende de dólar. Youssef não entende de Petrobras. Então isso aí é uma ilação que ele tá fazendo nesse processo."

O vídeo foi editado e publicado no site VidMe, mas sem crédito de autoria. Diz lá que, antes de oferecer a denúncia, o MPF perguntou à Petrobras se os contratos de nafta com a Braskem causaram prejuízos, e resposta foi “não”. O vídeo também diz que esse trecho do depoimento de Paulo Roberto Costa foi ignorado pela denúncia.

Em março de 2015, logo depois que as declarações de Youssef sobre os contratos de nafta foram divulgadas pela imprensa, a Braskem comunicou ao mercado que “todos os pagamentos e contratos da Braskem com a Petrobras seguiram a legislação aplicável e foram aprovados de acordo com as regras de governança da companhia”.

“Além disso, é importante destacar que os preços praticados pela Petrobras na venda de matérias primas nunca favoreceram a Braskem e sempre estiveram atrelados às mais caras referências internacionais”, diz a empresa, em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), agência reguladora do mercado de capitais.

Veja o vídeo:

 

 é editor da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 13 de fevereiro de 2016, 19h23

Comentários de leitores

17 comentários

Sobre os projetos e estudos de viabilização.

Luiz Parussolo (Bancário)

Observando apenas que todo projeto depende de elaboração técnica e esse departamento devidamente requerido em acomodações de situações comprometedoras, muitas vezes por dependência à hierarquia, elaborado com eficiência por perito experiente dificilmente sobra evidências formais e materiais como fundamentos de provas concretas, mesmo a análise deixando transparência de irregularidades no conjunto dedutivo.
Depois, além de artifícios diversos, aos que podem partir do resultado chegar aos fatos e elementos para um refazimento existem éticas diversas a serem observadas: Ética corporativa, ética fraternal de confrades, ética política e ética social.
Um dos grandes emaranhados a ser quebrado no país é o império fascista dominante através de leis rigorosíssimas e punições severas.
Só que todos os poderes e as instituições foram aliciados por todas essas éticas também.

Trabalho na mídia é criativo e inventivo

Citoyen (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Esse, ACIMA, é o título dos meus comentários.
Pelo menos, o que EU QUERIA QUE FOSSE, se não tivesse errado na digitação!
Segundo, gostaria de complementar o que escrevi, DESTACANDO que estou ADMIRANDO muito o SÉRIO e DIFÍCIL TRABALHO do MINISTÉRIO PÚBLICO, que tem FORJADO, sobre TEXTOS e CONVERSAS COMPLEXAS e DÚBIAS, DOCUMENTOS JURÍDICOS calçados no DIREITO POSTO e na JUSTIÇA (como enunciado que surge não só na CONSTITUIÇÃO como, também, nos ATOS E CONCERTOS INTERNACIONAIS firmados pelo BRASIL e pelo BRASIL abrigados).
O que me espanta é o número daqueles poucos, ATIVOS, sem duvida, como NOS EXPLICA LULLA, que VOTAM e, pois, NÃO PENSAM senão com a BARRIGA, e que NÃO QUEREM VER que, SE CORRUPÇÃO NO BRASIL SEMPRE HOUVE, ela se tornou terrível, quando passou a SER ORQUESTRADA e COORDENADA pela ELITE do PODER, agindo HIERARQUICAMENTE e SERVILMENTE, em que A LIDERANÇA MANDAVA e os SERVIS CUMPRIAM.
Bom, agora, os SERVIS estão sendo processados ou já foram condenados.
AS LIDERANÇAS maiores ainda não........, embora algumas intermediárias tenham sido....... !

confissão x provas materiais

Péricles (Bacharel)

Um jornalismo sério nao pode apresentar as versões de um lado só. Sabe -se que um depoimento por si só não faz provas ou deixa de fazê-lo. A confissão por si só não pode trazer incriminação contra o próprio depoente, a menos que esteja fundado em provas materiais. Então, o que dizer do editor dessa matéria? É um leigo ou um mal-intencionado? Deixo para os leitores tirarem as suas próprias conclusões !!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/02/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.