Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sem conteúdo expresso

Preso na custo Brasil obtém Habeas Corpus por falta de razão para preventiva

Por 

O funcionário do advogado Guilherme Gonçalves e apontado como responsável pela contabilidade da Consist, Marcelo Maran, foi solto após conseguir Habeas Corpus no Tribunal Regional Federal da 3ª Região. A decisão é da 11ª Turma da corte e foi tomada por maioria.

Marcelo Maran estava preso desde 15 de agosto deste ano. Ele é acusado de participar do esquema de desvios em empréstimos consignados no Ministério do Planejamento. O suposto conluio criminoso é investigado pela operação custo Brasil.

Além dele e de Gonçalves, que atuou na campanha da senadora Gleisi Hoffmann (PT-RS), outras 11 pessoas são acusadas de participar do esquema, entre elas o ex-ministro Paulo Bernardo (PT-SP) e dois ex-tesoureiros do PT: João Vaccari Neto e Paulo Adalberto Alves Ferreira.

Maran foi acusado de pressionar testemunhas para atrapalhar as investigações. Com base nisso, teve a prisão preventiva decretada. O relator do caso, desembargador José Lunardelli, inclusive, cita em seu voto que não há qualquer “conteúdo expresso ou implícito de ameaça” apresentado contra o réu.

“No caso em exame, não há notícia de que o paciente tenha tentado quaisquer atos concretos de intimidação, ou que tenha reiterado seguidamente na busca por interferir no comportamento de testemunhas, agentes ou terceiros ligados aos fatos”, explica o desembargador.

Em seu voto, o relator destaca que o grau de restrição à liberdade deve corresponder ao nível “de ameaça a outros direitos fundamentais ou a interesses coletivos”. “Não se pode, afinal, presumir abstratamente — é dizer, sem que haja elementos ponderáveis e concretos nesse sentido — que um acusado não obedecerá a quaisquer medidas decretadas pela autoridade judicial, mormente se inexistem registros de que já o tenha feito anteriormente”, concluiu.

Desvios no consignado
De acordo com a investigação, Paulo Bernardo recebia recursos de um esquema de fraudes no contrato para gestão de empréstimos consignados no Ministério do Planejamento. O MPF diz que os serviços da Consist Software, contratada para gerir o crédito de servidores, eram custeados por uma cobrança de cerca de R$ 1 de cada um dos funcionários públicos que solicitavam o empréstimo.

Desse montante, continua a acusação, 70% eram desviados para empresas de fachada até chegar aos destinatários. Na decisão, o juiz diz que há indícios da prática dos crimes, mas ressaltou “o recebimento da denúncia não implica o reconhecimento de culpa de qualquer dos acusados”.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 13 de dezembro de 2016, 14h31

Comentários de leitores

1 comentário

Concordo

Professor Edson (Professor)

Mesmo que a corrupção seja endêmica, mesmo que o país esteja nas ruínas, mesmo que pessoas pobres morram em montes nos corredores de hospitais por culpa da corrupção, mesmo que roubem e comprem Ferrari, lanchas de luxo, mansões nos melhores bairros do país, mesmo que façam viagens caríssimas e usem jóias maravilhosas, tudo com dinheiro roubado do povo, com tudo isso é melhor prender pobre mesmo, inserir esses riquinhos dentro de presídios sujos e antigos, cá entre nós é uma baita falta de consideração com essa gente mão leve, melhor ainda, decrete a prisão domiciliar e depois de condenado entre com um pedido de compensação, já os 700 mil pobres fétidos presos desse país!! deixa pra lá....que se d....Nesse país cadeia foi feita pra pobre.

Comentários encerrados em 21/12/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.