Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Tiro na nuca

Caseiro é morto dentro da casa de desembargador

Por 

O caseiro José Francisco de Souza, 48 anos, foi morto com um tiro na nuca dentro da casa do desembargador Adílson de Andrade, da 3ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo. A casa fica no Guarujá, litoral sul paulista. O crime aconteceu no sábado (7/2), por volta das 18h. O autor do disparo que matou Souza seria um policial que estava com o desembargador dentro da casa. O caseiro foi encontrado com uma faca na mão.

O caso está registrado na Delegacia Sede do Guarujá como tentativa de roubo e resistência seguida de morte. O inquérito policial corre em sigilo. O desembargador foi procurado pela revista Consultor Jurídico e disse que vai se manifestar no momento oportuno.

Há diversas versões para o caso. A oficial, que está registrada no boletim de ocorrência, é que Souza tentou assaltar a casa do desembargador com uma faca. Resisitu à voz de prisão, reagiu e foi morto.

Amigos da família, porém, dizem que Souza havia se desentendido com o desembargador e o policial enquanto tomavam cerveja. Souza trabalhava como caseiro do condomínio chamado Sorocutuba, na praia homônima do Guarujá.

Amigos da vítima, que pediram para não ser identificados, afirmam que o caseiro, quando bebia cerveja, falava demais. E para eles esse seria o motivo de sua morte — uma discussão. Souza teria bebido cerveja com o desembargador e outros amigos no deck da praia. Ali começou uma discussão entre Souza, o desembargador e o policial. Amigos do caseiro sugeriram que Souza fosse para casa, que fica no mesmo condomínio do desembargador. Outra versão da história é a de que o caseiro, embriagado, foi até a casa do desembargador continuar a discussão.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 13 de fevereiro de 2009, 21h41

Comentários de leitores

1 comentário

Verdade real

Armando do Prado (Professor)

Por enquanto, a verdade é a principal vítima. Provavelmente, os "autos" mostrarão que colocou sua nuca no trajeto desenvolvido pela bala do revólver que sem intenção e vontade havia "funcionado".

Comentários encerrados em 21/02/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.