Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Punição revertida

Homem condenado por estupro é absolvido

Por 

O estupro não é ato que possa ser praticado por pessoa que sequer tenha consciência do crime e acolhe alguém, com problemas mentais, para proteger e cuidar como companheira. Mesmo que dessa convivência possa ter resultado eventuais relações sexuais. O delito é atentado contra a liberdade sexual da mulher, por meio de violência ou grave ameaça.

Com esse entendimento, o Tribunal de Justiça de São Paulo absolveu um homem condenado a sete anos de reclusão pelo crime de estupro com presunção de violência (quando a vítima tem menos de 14 anos ou é alienada ou débil mental). Para a turma julgadora, a condenação não alcançaria a finalidade de firmar o direito violado que é o de proteger a liberdade sexual da mulher violentada e constrangida por egoísmo do autor do delito.

De acordo com denúncia do Ministério Público, a mãe, M.L.S., e o padrasto, B. R., “venderam” a adolescente R.S.C, então com 13 anos, por R$ 270,00 para V.L.O. A garota era vítima de esquizofrenia paranóica e síndrome epiléptica. E era constantemente agredida pelo padrasto. Com o consentimento da família, R.S.C. passou a viver como mulher do acusado V.L.O.

O processo foi suspenso com relação à mãe e padrasto, que foram morar no Paraná. V.L.O. foi condenado a sete anos de reclusão, em primeira instância, pelo crime de estupro, com presunção de violência contra a adolescente. A defesa entrou com recurso no Tribunal de Justiça para pedir a absolvição. O argumento foi o de que não havia prova suficiente para sustentar a condenação. Para o advogado, o rapaz tratava bem a adolescente e não havia prova de que manteve relações sexuais com a garota.

“O que se percebe é que a situação retratada reflete severo drama pessoal da ofendida, deixada pela mãe e, às vezes, agredida pelo padrasto, sendo recolhida por alguém sem a consciência de realizar qualquer crime e que, de alguma forma, a acolhera e protegera, sendo ele próprio uma criança crescida”, afirmou o relator do recurso, desembargador Figueiredo Gonçalves, da 1ª Câmara Criminal, ao justificar seu voto pela absolvição.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 24 de agosto de 2009, 10h51

Comentários de leitores

2 comentários

VÍTIMAS!

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

É mais um caso em que pai, mãe, filho e acusado são vítimas. O verdadeiro Réu deveria ser o Estado, gestor incontestável deste tipo de realidade social.

absurdo!

Músico sem OMB - SJC - SP (Outros)

quer dizer que qualquer louco pode ser estuprado que nada acontecerá com o estuprador? ou seja, além de todas as leis discriminatórias contra os doentes mentais, inclusive código civil, agora eles podem ser estuprados a vontade que nada acontecerá com o criminoso! regime de exceção! realmente, é como ocorreu na Alemanha Nazista, ninguém se importava com os loucos que foram esxterminados n início do movimento Nazista, e até hoje, ninguém se importa com eles! ABSURDO!

Comentários encerrados em 01/09/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.