Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Delegado investigado

Leia o relatório da PF sobre Protógenes Queiroz

O relatório do inquérito policial que investiga o delegado Protógenes Queiroz aponta duas fases da Polícia Federal: durante a gestão do ex-diretor geral da PF, delegado Paulo Lacerda, e após sua saída, quando foi para a Agência Brasileira de Inteligência. Na primeira fase, sustentam os policiais responsáveis pelo inquérito, Protógenes gozava de autonomia dentro da instituição, embora fosse subordinado a outros delegados. Já com a entrada de Luiz Fernando Côrrea, diz o relatório, Protógenes teve problemas com as mudanças dentro da PF.

No relatório divulgado pelo jornalista Ricardo Noblat (Clique para ler a Parte 1 e a Parte 2), o delegado Amaro Vieira Ferreira afirma que Protógenes tinha autonomia e nenhum controle efetivo de suas atividades era exercido na época em que Paulo Lacerda dirigia a instituição. Enquanto o superior do delegado recebia informações muito vagas sobre a Operação Satiagraha, que investiga o banqueiro Daniel Dantas, Lacerda era informado diretamente por Protógenes.

Entretanto, segundo a PF, o próprio Lacerda, em depoimento, afirmou acreditar que Protógenes também informava seus superiores do que estava fazendo, já que não tinha obrigação de se reportar diretamente ao diretor geral.

Segundo o relatório, Protógenes deslocava servidores para apoiar suas missões e usava equipamentos sem obedecer a qualquer formalidade. Além disso, diz a PF, alguns servidores foram deslocados desnecessariamente, passando grande parte do tempo em outras cidades sem ter o que fazer. Um dos funcionários afirma que em um “período de sessenta dias, suas atividades se resumiram apenas a participação de diligências para confirmar quatro endereços”.

O relatório também afirma que, segundo depoimentos colhidos, o superior hierárquico do delegado Protógenes o repreendeu quando foi descoberto um agente da Abin em uma sala de análises da PF. Para Amaro, a participação da agência foi clandestina até mesmo para a Polícia.

"Na busca por elementos que pudessem indicar materialidade e autoria da quebra de sigilo funcional, que favoreceu a jornalista Andrea Michael, verificou-se que, justamente essa parceria informal com a Abin, propiciada pelo delegado Protógenes Queiroz, é que veio possibilitar à jornalista, através de contatos com servidores daquela Agência, Thélio Braun D´Azevedo e Luiz Eduardo Melo, a obtenção de dados sigilosos e o conhecimento do real andamento das investigações então em curso”, diz o relatório.

Ainda segundo o documento, Protógenes soube do encontro dos servidores da Abin com a jornalista que aconteceu antes da publicação da notícia que informava sobre a operação antes de ser deflagrada. Entretanto, diz a PF, o delegado desconsiderou a hipótese de terem sido os servidores que vazaram a informação. O delegado Amaro Vieira diz que Protógenes apresetnou a versão de que o vazamento ocorreu por seu chefe imediato.

Revista Consultor Jurídico, 9 de abril de 2009, 17h46

Comentários de leitores

5 comentários

Casa da Joana!

Fogaça (Outro)

O Delegado Corregedor esqueceu=se de indiciar nos mesmo artigos. O atual diretor da PF, bem como o Lorenz, pois, como chefes imediatos, nada fizeram, portanto, são co-autores. Pelo visto, a PF virou casa de Joana, segundo, a apuração isenta da corregedoria.

protogenes vem ai

dinarte bonetti (Bacharel - Tributária)

a policia federal esta empenhada em destruir um de seus mais brilhantes membros.
vou apresentar uma visão de futuro: Vão dançar, pois é tão evidente a tentativa de destruir o trabalho sério do delegado, que de investigador passou a investigado, que novamente a policia federal vai passar por aquela fase negra de "antes de Paulo Lacerda", quando a policia federal avisava os bandidos antes que saissem em seu encalço, mediante pagamento. Essa policia federal que foi desbaratada no Rio de janeiro, e em todo o territorio nacional, parece que esta ressucitando. Mas a sociedade civil já sente poder e condições de interferir nisso, e a verdade vai prevalecer. A policia federal vai passar por uma fase dificil de regeneração, quando finalmente bandidos travestidos de policia federal, acabarão ao menos aposentados.

Relatórios da PF

Gilberto Serodio Silva (Bacharel - Civil)

Queria mesmo era ler o relatório da operação rabo preso, digo, Satiagraha em especial saber o conteúdo dos discos de computadores deixados pelo banqueiro condenado Daniel Dantas e enviado para a CIA. O resto é conversa mole para boi dormir.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 17/04/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.