Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Pedido negado

Justiça nega liminar e Suzane Richthofen continua na cadeia

Por 

Suzane Louise Von Richthofen não vai sair da cadeia. O desembargador Damião Cogan, presidente da 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo, negou pedido de liminar feito pelos advogados de Suzane. Cogan argumentou que Suzane é ré confessa, que esteve presa durante toda a instrução do processo e que o pedido de Habeas Corpus será submetido a julgamento de mérito, o que não justifica a concessão da liminar.

Na semana passada, o desembargador pediu informações ao juiz Richard Francisco Chequini, que decretou a prisão de Suzane. Alegou que isso seria necessário antes de tomar qualquer decisão em relação ao pedido de liminar. Os advogados de Suzane, Mário de Oliveira Filho e Mário Sérgio de Oliveira, apresentaram o pedido de liberdade na segunda-feira (17/4).

A prisão de Suzane foi reclamada pelo Ministério Público por causa de uma entrevista ao programa Fantástico, da Rede Globo de Televisão, e à revista Veja, no dia 9 de abril. A entrevista mostra Suzane simulando arrependimento e seus advogados instruindo-a para sobre o que dizer e como se comportar durante a entrevista.

Ao decretar a prisão de Suzane, o juiz Chequini, afirmou que ela deve ficar na cadeia para garantir a “perfeita ordem do julgamento da ré e dos demais acusados, uma vez que se nota a clara intenção de criar fatos e situações novas, modificando, indevidamente, o panorama processual”. Afirmou, também, que a prisão da jovem é necessária porque, em liberdade, Suzane ameaça a vida de uma das testemunhas, seu irmão Andreas. Os irmãos brigam na Justiça pela herança dos pais.

Suzane, o ex-namorado Daniel Cravinhos de Paula e Silva, e o irmão dele, Christian, serão levados a júri popular no dia 5 junho por duplo homicídio duplamente qualificado. Os irmãos são acusados de, com a ajuda de Suzane, matarem os pais dela, Manfred Albert Von Richthofen e Marisia Von Richthofen, a pauladas e por asfixia enquanto o casal dormia. O crime ocorreu em 31 de outubro de 2002, na casa do casal, no Brooklin, Zona Sul de São Paulo.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 24 de abril de 2006, 13h47

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 02/05/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.